Dogma posto em xeque: parte 2

As diversas tentativas de premiar o acionista empenhado no longo prazo

Governança Corporativa/Governança/Edição 139 / 1 de março de 2015
Por 


É justo que o investidor de curto prazo, muitas vezes dono ou locatário de ações por poucos dias ou semanas, tenha o mesmo poder que o acionista comprometido a permanecer na companhia?

Além da busca por conferir direitos especiais de controle aos fundadores — colocada em pauta na última coluna —, essa é a outra questão que tem levado reguladores e mercado a revisitar o conceito de “uma ação, um voto”.

O debate ganhou força após casos como o da aquisição da Cadbury pela Kraft em 2010 (tema da coluna da edição 131), em que a atuação de fundos de hedge focados em ganhos instantâneos foi decisiva para a operação se concretizar, alterando os rumos de uma empresa com mais de 200 anos de vida.

Desde então, surgiram crescentes evidências científicas a demonstrar os potenciais impactos negativos do investidor imediatista, entre os quais a redução dos investimentos de longo prazo nas companhias e a pressão excessiva para o alcance de metas rápidas de lucro — o que tende a gerar fraudes e outras atitudes antiéticas.

Cientes desses casos e evidências, alguns países passaram a buscar premiar o sócio empenhado no futuro distante, facultando-lhe um poder político superior. Na França, a Lei Florange, aprovada em abril de 2014, concede ao acionista que mantiver seus papéis por no mínimo dois anos o direito a voto duplo: cada ação vale por duas nas assembleias. O italiano Decreto Sviluppo Imprese, de junho de 2014, permite à empresa incluir uma cláusula estatutária que assegura a mesma prerrogativa. Nesse caso, a inserção da cláusula deve ser aprovada por mais de dois terços dos sócios; exige-se, ainda, uma oferta pública de ações caso os sócios com direito político diferenciado passem a reunir acima de 30% do poder deliberativo.

No campo acadêmico, surgiram diversas ideias para premiar o acionista leal à companhia. Uma das propostas frequentemente discutidas é a do professor Colin Mayer, da Universidade de Oxford. Ele sugere a criação de um sistema de registro no qual o investidor pudesse se comprometer a manter seus papéis por um período mínimo de tempo. Como benefício, receberia um poder de voto nas assembleias proporcional ao período de tempo de registro.

O esquema funcionaria da seguinte forma: caso um acionista com mil ações se obrigasse a permanecer por dez anos, então ele teria direito a 10 mil votos no primeiro ano, 9 mil no segundo e assim subsequentemente. As ações do investidor que optasse por não registrá-las — as chamadas ações “sem compromisso” — receberiam liquidez imediata, porém influência política zero. O sistema de voto proporcional ao prazo remanescente de vínculo ofereceria a vantagem de permitir a qualquer acionista um poder deliberativo superior, desde que se propusesse a ficar na empresa por determinado período.

Outra ideia com o mesmo intuito é a das “ações de lealdade”, apresentada pelo professor Patrick Bolton, da Universidade Columbia, e pelo pesquisador Frédéric Samama. Neste caso, todas as ações passariam a embutir uma espécie de opção de compra. Após um período de carência de alguns anos, o investidor teria direito a exercer essa opção, que lhe conferiria dividendos ou ações adicionais a um custo praticamente nulo.

Como se vê, o conceito de “uma ação, um voto”, até pouco tempo um verdadeiro dogma da governança corporativa, passa por um momento de escrutínio. Diferentemente da atribuição de privilégios aos fundadores — algo que de fato cria sócios de “segunda classe” —, a proposta de dar maior poder a qualquer acionista que se disponha a permanecer a longo prazo é bem mais controversa no que tange a ser considerada ou não uma boa prática de governança.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais longo prazo uma ação um voto Colin Mayer Lei Florange Decreto Sviluppo Imprese Patrick Bolton Frédéric Samama direito a voto diferenciado Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Vamos adotar a maravilhosa ideia?
Próxima matéria
Diretor da CVM chinesa é investigado por corrupção



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Vamos adotar a maravilhosa ideia?
Queria propor o seguinte: se companhias abertas estiverem com prejuízo e sem saldo para pagar os dividendos tão almejados...