Emissão de dívida corporativa triplica no Peru

Gestão de Recursos/Internacional/Edição 115 / 1 de março de 2013
Por 


Dentre os países latino-americanos, o Peru foi o que mais se destacou na expansão de dívida corporativa. Em 2012, as empresas peruanas ofertaram US$ 5,15 bilhões em títulos de dívida, mais que o triplo observado em 2011, quando esse valor atingiu US$ 1,63 bilhão. As emissões — tanto dentro como fora do país — foram realizadas, principalmente, por companhias ligadas à agricultura e à mineração. Segundo a agência peruana de notícias Andina, a tendência é que esse mercado continue aquecido em 2013 e que vários bancos locais captem recursos por essa via.

À Andina o banco Scotiabank disse que o principal fator de risco é o aumento das taxas de juros pagas pelos títulos de dívida norte-americanos, o que poderia drenar recursos destinados a companhias peruanas. O banco, contudo, acredita ser pouco provável que esse cenário se concretize. No início do ano passado, a empresa agroindustrial Camposol levantou US$ 125 milhões pagando um prêmio total de 9,88% e prazo de cinco anos. Outra companhia do setor, a Coazucar, captou US$ 325 milhões a uma taxa mais modesta, de 6,38%.

O boom de dívida corporativa vem trazendo mudanças para os fundos de investimento do país. O maior deles, o Credifondo, está se desfazendo de títulos de dívida pública do Peru para incrementar seu portfólio com títulos privados. A consultoria britânica Oxford Business Group destaca que a confiança dos investidores internacionais no Peru vem aumentando, o que contribui para baratear a emissão de dívida ante a alternativa mais corrente, o empréstimo bancário.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Peru dívida corporativa Bruna Maia dívida Scotiabank Coazucar Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidores de longo prazo fazem short selling
Próxima matéria
Bolsa de Londres quer empresas de rápido crescimento



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidores de longo prazo fazem short selling
No topo da lista dos investidores que fazem venda a descoberto — tradicionalmente, uma operação de curto prazo — no mercado...