Emissões de títulos híbridos entram no radar das companhias

Bimestral/Relações com Investidores/Temas/Edição 91 / 1 de março de 2011
Por 


A Energisa deu o pontapé inicial. Em janeiro, tornou-se a primeira companhia brasileira a emitir títulos perpétuos com opção de diferimento de juros no mercado internacional. O papel, conhecido como título híbrido, é um bond perpétuo (sem vencimento) com uma característica especial: pode ser registrado na contabilidade do emissor como entrada de capital e não como aquisição de dívida. No próximo balanço da Energisa, referente ao primeiro trimestre do ano, serão US$ 200 milhões a mais na sua conta de patrimônio líquido, sem alteração do passivo.

A solução foi escolhida para que a companhia não ficasse sujeita às oscilações cambiais do hedge que seria contratado em uma emissão de dívida tradicional. “Nossa receita é integralmente em reais”, justifica Maurício Botelho, diretor financeiro da Energisa. A operação também pode cair como uma luva para as empresas interessadas em equacionar o endividamento e assim alavancar a capacidade de investimento sem prejudicar os índices de liquidez. São benefícios suficientes para despertar o interesse de outras empresas locais.

O Santander e o Bank of America Merrill Lynch no Brasil (BofA Merrill Lynch) foram, juntamente com o Morgan Stanley, os responsáveis pela operação da Energisa. “Já em março podemos ter outras semelhantes”, afirma Pedro Bianchi, diretor de renda fixa do BofA Merrill Lynch. Há uma emissão de títulos híbridos em andamento no Santander, confirma Ricardo Leoni, superintendente executivo de mercado de capitais do banco, sem revelar quem é o cliente. E o escritório MilBank, outro envolvido na oferta da Energisa, tem sido consultado por empresas interessadas.

Na Europa, a emissão de títulos híbridos é usual, especialmente entre as companhias de energia — setor que demanda vultosos investimentos com retorno de longo prazo. Por aqui, a demanda só passou a ser atendida com a chegada das normas contábeis internacionais (IFRS). As regras anteriores não previam o tratamento de um título de dívida como patrimônio. De acordo com o pronunciamento CPC 39, a primeira característica do híbrido é não ter data de vencimento.

Outra peculiaridade é o diferimento do pagamento de juros. No caso da Energisa, a previsão é entregar, trimestralmente, 9,5% ao ano de rentabilidade ao investidor, mas, por se tratar de título híbrido, o emissor tem a prerrogativa de não pagar os juros na data prevista. O diferimento não é um calote, mas uma postergação do pagamento possível. Sem a garantia de rentabilidade em prazos fixos, o bond acaba se assemelhando ainda mais à renda variável.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  captações externas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
XP lança home broker para ativos de renda fixa
Próxima matéria
China anuncia criação de comitê para supervisão de M&As



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
XP lança home broker para ativos de renda fixa
A XP Gestão de Recursos aproveitou uma brecha aberta pela BM&FBovespa para começar a operar, este mês, o primeiro...