E, de repente, brasileiros se preocupam com a bolsa de valores

27/10/2014

Captação de recursos/N@ Web/Temas / 27 de outubro de 2014
Por 


Brasileiros não são afeitos a investir na bolsa de valores. Temos 366 empresas listadas; nossa taxa de poupança equivaleu a 15% do PIB em 2012, de acordo com dados do Banco Mundial. Os sul-coreanos, por exemplo, poupam 35% e têm mais de 1,7 mil companhias cotadas em bolsa em que podem aplicar seus recursos. Mas, de repente, a bolsa de valores e o Índice Bovespa (Ibovespa) passaram a fazer parte dos comentários das redes sociais. Conceda-se: não foi nem um pouco de repente. A culpa foram as eleições. Se antes do pleito já se falava das oscilações, depois da escolha pela reeleição de Dilma Rousseff, com 51,64% dos votos válidos, o assunto está bombando.

Alguns reclamam da queda de quase 10% das ações da Petrobras e de 2,72% do Ibovespa nesta segunda-feira.

Outros reclamam da ganância de quem investe na bolsa.

Há quem faça piadas.

E há, também, quem esteja achando muito estranho esse súbito interesse nacional pelo pregão. 

Será que nos próximos quatro anos o que acontece na economia e na BM&FBovespa vai continuar sendo um assunto popular por aqui? 

Vale registrar que os gringos também estão comentando o efeito pós-pregão na bolsa local. O site Business Insider, usa um de seus habituais títulos hiperbólicos, e diz que “as ações brasileiras estão sendo dizimadas”. Já o Yahoo Finance anunciava que seria um dia brutal para os fundos de índice ligados a Brasil. 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bolsa de valores bmfbovespa Ibovespa Dilma Rousseff Aécio Neves eleições 2014 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
À espreita
Próxima matéria
Consultorias de remuneração têm cada vez mais influência sobre salários de executivos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
À espreita
O Deal Flow Indicator (DFI) é um indicador de atividades futuras de fusão e aquisição (F&A) desenvolvido pela Intralinks,...