Acionista de banco em falência não deve ter voz, diz Reino Unido

Relações com Investidores/Internacional/Temas/Edição 55 / 1 de março de 2008
Por , , e


O Comitê do Tesouro do Reino Unido planeja suprimir o direito de voto de acionistas de bancos em situação de falência, suscitando reações adversas do mercado. O argumento para a decisão é que, atualmente, os bancos quebrados são tratados como qualquer empresa não-financeira. Seus depositantes são classificados como credores não-segurados, o que significa que podem levar meses ou anos para receber seus depósitos, caso a instituição entre em insolvência.

No relatório do comitê sobre o banco Northern Rock, publicado em 24 de janeiro, a entidade argumenta: “Acionistas de bancos não podem esperar ter a palavra final sobre os rumos da companhia, se esta se tornar dependente do Estado para continuar funcionando”.

O comitê pretende criar uma nova autoridade monetária, que possa nacionalizar os votos dos acionistas em caso de insolvência da instituição financeira. “Os acionistas deveriam reclamar de expropriação ilegal”, afirmou Kate Learoyd, advogada especializada em litígios comerciais da McDermott Will & Emery, ao site oficial da International Financial Law Review, em 6 de fevereiro.

A polêmica dá panos para manga. Se a entidade vingar e tiver poder para proteger seus depositantes com um “regime especial de resolução” que expropria o controle acionário, também poderá mandar para baixo o preço das ações dos bancos. Suspeita-se que hedge funds e outros investidores institucionais não se entusiasmariam em investir nessas instituições sabendo que correm o risco de perder seus votos para o governo.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Reino Unido Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nasdaq cede e libera listagem das Spacs, mas com regras duras
Próxima matéria
Hedge funds fazem miniofertas para atrair os incautos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nasdaq cede e libera listagem das Spacs, mas com regras duras
A bolsa eletrônica Nasdaq anunciou em fevereiro que pretende propor regras que permitam a listagem das controvertidas Special...