Última chamada para a IFRS 16

Empresas precisam se adaptar à nova norma de contabilização de arrendamento

Contabilidade e Auditoria/Artigo / 8 de junho de 2018
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Carmo Barboni*/ Ilustração: Julia Padula

Publicada há dois anos pelo International Accounting Standard Board (IASB, o conselho internacional de normas contábeis), a IFRS 16 ainda representa um desafio para empresas brasileiras.

A principal mudança determinada pela nova norma é a eliminação do conceito de arrendamentos operacionais e financeiros para arrendatários que existe na IAS 17, substituída por um único modelo contábil — segundo o qual os arrendatários devem reconhecer todos os arrendamentos (incluindo ativos imobilizados) no balanço como um “ativo de direito de uso” e tendo como contrapartida um “passivo de arrendamento”.

A adoção da norma é mandatória a partir de 1º de janeiro de 2019, o que significa que sua implantação vai exigir um trabalho amplo das companhias; afinal, faltam poucos meses para a conclusão das análises dos impactos da IFRS 16. Quanto maior a carteira de arrendamentos, maior a influência sobre as principais métricas financeiras.

As empresas terão que mapear todos os contratos, avaliar seus sistemas, processos e controles internos e identificar quais adaptações serão necessárias. Esse trabalho envolve muitos aspectos e pode resultar em novos para captura de dados e realização de cálculos dos contratos, em revisões de cláusulas restritivas (covenants), testes de redução ao valor recuperável, dos efeitos tributários e reavaliação de processos de análise e aprovação de , bem como de estratégias de compra versus arrendamento.

Além disso, novas informações serão necessárias para fins de divulgação em notas explicativas — como prazo do arrendamento, taxas de desconto, pagamentos do arrendamento, aluguéis vinculados a uma taxa ou índice, pagamentos esperados com base no valor residual garantido e inclusão de opções de compra e pagamentos de cancelamentos.

Importante destacar que o novo modelo mudará também as principais métricas financeiras e os indicadores-chave de desempenho (KPIs), em decorrência de certa volatilidade gerada no balanço e no resultado por requisitos contínuos de remensuração dos contratos.

 

 

Uma análise inspirada na pesquisa Mudança Contábil 2017 (no original, “Accounting Change”), feita pela KPMG com cerca de 245 companhias (76% públicas e 24% privadas) que representam os principais setores da economia global, revela que a maioria das empresas considera os desafios do processo de adoção da IFRS 16 maiores do que os inicialmente imaginados.

A respeito do novo padrão de arrendamentos, o estudo mostra que apenas 13% das empresas concluíram sua avaliação contábil; 51% montaram uma equipe de gerenciamento de projeto, 29% completaram seu inventário de contratos de locação e 18% selecionaram um software para controlar os contratos de locação. O estudo tem ainda outro dado alarmante: os desafios inesperados estão gerando complicações à transição. Pelo menos 50% dos entrevistados revelaram que suas empresas enfrentaram problemas imprevistos — 78% não imaginavam a magnitude da dificuldade do processo.

Quanto mais as empresas percebem que precisam de um sistema que as ajude a implementar o novo padrão contábil, mais elas precisam incorporar custo e tempo à adaptação. Dos entrevistados, 42% disseram não ter certeza de quanto tempo levariam para implementar as mudanças ou novos softwares. Entre os que estimaram prazo, 45% acreditam que levará seis meses ou menos, enquanto a maioria acredita que serão mais de seis meses.

Os resultados da pesquisa mostram que, além da análise contábil, é essencial que as empresas avaliem a necessidade de uso de uma solução sistêmica. E o tempo de implementação dessa solução deve estar alinhado com as demais atividades de transição para a norma.

Diante desse cenário, quais são os próximos passos?

O primeiro: as empresas devem entender as características da sua carteira de arrendamento. Uma avaliação de sistemas, processos e controles também é extremamente importante. O tempo necessário para implementação da nova norma não deve ser subestimado. O trabalho leva à investigação de soluções estruturais que reduzam o impacto, eliminem lacunas e criem controles para o planejamento da situação desejada.


*Carmo Barboni (carmobarboni@kpmg.com.br) é sócio-diretor da prática de Accounting Advisory da KPMG no Brasil. Colaborou Jonas Morbidelli (jmorbidelli@kpmg.com.br), também sócio-diretor da área.

Leia também:

IFRS 16: Nova norma altera modo de contabilizar arrendamentos

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  IFRS International Accounting Standard Board normas contáveis Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Minerva nega capitalização para se unir à BRF
Próxima matéria
Quando recorrer à arbitragem?



1 comentário

Feb 16, 2019

Hello there,

My name is Aly and I would like to know if you would have any interest to have your website here at capitalaberto.com.br promoted as a resource on our blog alychidesign.com ?

We are in the midst of updating our broken link resources to include current and up to date resources for our readers. Our resource links are manually approved allowing us to mark a link as a do-follow link as well
.
If you may be interested please in being included as a resource on our blog, please let me know.

Thanks,
Aly



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Minerva nega capitalização para se unir à BRF
Após questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Minerva Foods informa, em comunicado assinado pelo diretor...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}