China luta contra queda do mercado acionário e demite regulador de valores mobiliários
Yi Huiman foi retirado do cargo de presidente da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários na tentativa de conter baixas acionárias
China, China luta contra queda do mercado acionário e demite regulador de valores mobiliários, Capital Aberto

A China removeu o seu principal regulador de valores mobiliários, após um declínio do mercado de ações que durou anos e que se tornou um assunto cada vez mais delicado para as autoridades de Pequim.

Yi Huiman, presidente da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC), vai ser substituído por Wu Qing, vice-secretário do partido em Xangai – um dos funcionários de mais alto escalão da cidade – de acordo com uma agência de notícias estatal.

A medida ocorreu após tentativas crescentes por parte de reguladores e funcionários do governo de interromper o declínio prolongado do mercado de ações da China, que abalou gravemente a confiança entre os investidores individuais no país. No fim de semana passado, milhares de investidores individuais furiosos inundaram as publicações nas redes sociais das embaixadas dos EUA, da Índia e do Japão na China e manifestaram as suas frustrações.


Entenda os novos marcos legais no curso Regulação de I.A. no Brasil e no Mundo


A decisão de substituir Yi Huiman relembra a demissão de outro ex-chefe do CVM chinesa há oito anos, Xiao Gang. Durante uma forte liquidação no preço dos papeis no verão de 2015, o regulador introduziu uma espécie de circuit breaker, mecanismo que interrompe antecipadamente as negociações nos dias em que os preços dos ativos caíram acentuadamente. A mudança exacerbou a perda de confiança e, em janeiro de 2016, Xiao foi substituído.

O Conselho de Estado, o principal órgão governamental do país, apelou no mês passado a que algo fosse feito para estabilizar o mercado de ações e aumentar a confiança. Desde então, a CSRC emitiu várias declarações tentando acalmar os nervos dos investidores. Yi presidiu uma reunião da CSRC no domingo, durante a qual o regulador prometeu proteger a estabilidade do mercado de capitais, segundo declarações oficiais.

As ações subiram na terça-feira depois que um fundo soberano da China disse ter expandido suas participações em fundos negociados em bolsa, que compram ações. O mercado também recebeu apoio de novas promessas do CSRC para aumentar a confiança e de algumas mudanças nas regras de negociação esta semana.

As ações chinesas subiram na quarta-feira (07), antes do anúncio da remoção de Yi. O CSI 300 fechou com alta de 1%, enquanto o Shanghai Composite Index terminou o dia com alta de 1,4%. As altas recentes, contudo, não compensaram a queda do mês passado nas ações chinesas. O índice de referência do país, CSI 300, caiu 2,5% este ano, apesar de ter subido três dias consecutivos. Está agora no seu quarto ano de declínio.

O CSI 300 caiu mais de 11% em 2023, um contraste com as subidas em outros países: as ações dos EUA estão em alta e as ações japonesas estão a ser negociadas em torno dos seus níveis mais elevados em mais de três décadas.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.