Quanto vale não ter patrão?

Resposta envolve muito mais que aspectos financeiros

Colunistas / Bolsas e conjuntura / 10 de setembro de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Eliseu Martins*

Eliseu Martins*

Lendo uma entrevista com o psicólogo Daniel Kahneman, que ganhou prêmio Nobel de Economia provando que ninguém consegue ser racional o tempo todo, lembrei-me de uma lição aprendida há pelo menos 50 anos, ainda no banco escolar. Ou melhor, no tempo do banco escolar, mas fora dele.

Como graduando na USP, me vi diante de uma oportunidade ímpar de utilizar e demonstrar conhecimento quando um amigo do interior me contou que deixara de ser empregado para montar um torno no fundo do quintal e trabalhar por conta própria. Sentei-me ao lado dele e comecei a pedir informações: quanto ganhava como empregado, quanto investiu de sua poupança e do acordo trabalhista (não havia FGTS naquela época) na compra do torno, quanto ganharia se aplicasse esse dinheiro, quanto gastaria de energia e materiais no novo trabalho, quanto tempo duraria o torno, se lembrava que não ganharia nada quando saísse de férias etc etc.

Ao final das contas, concluí e ele concordou (os números são fictícios, a moeda era outra, mas a proporção é essa): como empregado ganhava $ 1.500 mensais e como autônomo deveria ficar nos $ 1.300. Achei que estava conseguindo mostrar o erro que cometera quando, depois de pensar por uns momentos, ele me disse: “São $ 200 de diferença? Então estou ainda mais convencido de que fiz o melhor negócio do mundo!”.

Claro que fiquei perplexo, até que ele completou: “Você sabe o quanto vale não ter patrão? Está barato!”.

Só aí me dei conta do que não havia aprendido na aula. O valor de qualquer investimento, de qualquer decisão, não está apenas nos valores presentes do fluxo de benefícios econômicos, dos tais fluxos de caixa. Está nas diferenças de valor presente dos fluxos de benefícios. Dos benefícios, repito, para deixar bem claro que isso inclui todos os tipos deles: o de não ter patrão, o de poder dizer “sou presidente desta loja” (como vi uma vez alguém se vangloriar perante os clientes ao adquirir uma grande loja de departamentos), o de derrotar um “inimigo”. Ou seja, inclui-se no preço dos negócios e das decisões um conjunto amplo de benefícios, os financeiros e os não financeiros, os materiais e os psicológicos, os políticos e os de orgulho, vaidade, ciúme, vingança, gosto ou aversão ao empreendedorismo.

Evidentemente isso não significa que esses outros fatores que não os “racionais” econômicos sejam os dominantes — às vezes, o são —, mas sempre ou quase sempre estarão presentes, com maior ou menor impacto. É por isso que, depois de tantas análises, previsões, auditorias e due diligences demonstradas exaustivamente em infindáveis planilhas e lógicas, não se entende porque o número final acaba estabelecido num jantar a dois, após uma rodada de belos vinhos, ou durante uma partida de golfe. A pitada e a decisão finais acabam, muito mais comumente do que se imagina, vindo da alma, do estado de espírito do momento, e não da cabeça.

É lógico que não podemos chamar isso de irracionalidade. É apenas a constatação de que dominamos ainda pouco do racional que dirige a mente humana, que é dependente de muito mais variáveis do que sonha nossa vã filosofia. Nossa racionalidade completa é fruto do conjunto de todas essas motivações, e não exclusivamente da vinculada ao dinheiro.


* Eliseu Martins (prof.eliseu.martins@gmail.com) é professor emérito da FEA-USP e da FEA/RP-USP, consultor e parecerista na área contábil


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Crédito subavaliado
Próxima matéria
Tchau, Ueslei 




1 comentário

Sep 19, 2017

Nos tempos atuais existe maior risco, o que deprecia o valor presente dos benefícios. Porém creio que em diversos setores, ainda está barato não ter patrão.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Crédito subavaliado
O Banco Mundial publica anualmente como parte do relatório Doing Business um índice de acesso a crédito formado por dois...