Crise boa

Captações milionárias movimentam indústria de distressed asset

Fusões e aquisições / Reportagem / 7 de outubro de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

 

A caça aos chamados ativos estressados está mais acirrada do que nunca. A instabilidade política e a recuperação ainda incipiente de indicadores macroeconômicos animam gestoras de recursos e consultorias especializadas em reestruturação financeira a explorar esse desafiador — mas alvissareiro — mercado. Algumas miram empresas em apuros financeiros; outras, carteiras de créditos inadimplentes. Mas antes de sair à espreita, é preciso garantir munição. Não à toa, captações milionárias destinadas a fundos de investimento em ativos problemáticos estão em andamento. Boa parte delas é encabeçada por assets e consultorias novas nesse mercado.

Um exemplo é a Starboard Asset, braço de gestão de recursos da Starboard Restructuring Partners, consultoria que iniciou suas atividades no começo de 2017 e tem como sócios Fábio Vassel e Warley Pimentel. Ex-executivos da área de reestruturações do Brasil Plural, eles montaram, em 2014, o primeiro fundo de investimento em distressed assets do banco, que captou 125 milhões de reais. O dinheiro poderia ser alocado em até três anos, mas levou apenas um para que o total de recursos fosse direcionado a quatro empresas: Inepar, Mineração Caraíba, Camisaria Colombo e Ecovix. A gestão desse fundo, agora em fase de desinvestimento, continua nas mãos de Pimentel. Vassel, por sua vez, está concentrado na captação para um novo fundo, de 200 milhões de dólares, que busca aportes de investidores institucionais, familly offices com experiência em investimentos estressados e investidores pessoa física superqualificados, tanto brasileiros quanto estrangeiros.

“Quem alocou capital em ativos estressados em 2015 não sabia qual seria a severidade da crise. Agora há mais clareza sobre o que esperar”, observa Vassel. Esses dois anos, acrescenta Pimentel, também permitiram ao mercado testar mais profundamente os mecanismos de restruturação de empresas e a Lei de Recuperação Judicial. “Ao mesmo tempo em que a indústria de distressed asset amadurece, a crise cria oportunidades, o que torna o momento ideal para alocação de recursos nesse nicho”, ressalta.

Segundo Vassel, o novo fundo aportará recursos em empresas em dificuldades financeiras, mas com bons fundamentos, que precisem de estabilidade — e não de crescimento acelerado — para voltar a prosperar. O objetivo, afirma, é alocar os recursos em cinco a oito ativos, e que já tenham usado os serviços do braço de consultoria da Starboard. “A nossa criação de valor está na entrada, quando adequamos a estrutura de capital da empresa por meio da restruturação financeira. A atividade de advisory tem uma capacidade de diagnóstico muito mais sólida e passa credibilidade para os stakeholders”, detalha Pimentel.

Olhos nas endividadas

O universo de empresas combalidas também atrai a IG4 Capital, gestora de recursos originada da RK Partners e pilotada por Paulo Mattos, ex-sócio da GP Investimentos. A asset, diz o gestor, busca investir em companhias excessivamente endividadas, mas que tenham bons fundamentos. Essa era a situação da CAB Ambiental, atual Iguá Saneamento, única investida do fundo da IG4, que tem 410 milhões de reais em ativos sob gestão.

Detentora de 18 concessões de água e esgoto, a CAB passou por apuros após o grupo do qual fazia parte, a Galvão Engenharia, entrar na mira da Polícia Federal, no âmbito da Operação Lava Jato. A notícia afetou a credibilidade da CAB e restringiu seu acesso a crédito. Sem dinheiro, a empresa de saneamento parou de fazer investimentos e passou a descumprir contratos de concessão. A saída encontrada pela Galvão Participações (Galpar), então sua controladora, foi incluí-la, no seu plano de recuperação judicial, na lista de ativos à venda. Nessa época, a relação entre dívida e Ebitda da CAB atingia 7,5 vezes, um múltiplo bastante superior ao habitual.

A situação da CAB despertou o interesse da IG4, que montou o FIP Iguá para controlar a companhia, atualmente denominada Iguá Saneamento (o FIP Iguá tem 85% do capital e 15% são do BNDESPar). Os cotistas desse veículo são a Galpar (que aceitou ser uma sócia passiva), com 38% do capital, e a IG4, com 45% — os 17% restantes são investidores financeiros. A gestora obteve essa fatia após comprar uma dívida de 186 milhões de reais da CAB com o Bradesco e transformá-la em equity e aportar 80 milhões de reais na empresa (valor que soma capital da gestora e de outros investidores do setor financeiro). A estratégia possibilitou não só a troca de controle da CAB, como também ajudou a reduzir a sua alavancagem, por meio da conversão de dívida em equity. O passo seguinte foi o turnaround das operações, com a substituição de todos os diretores executivos e presidentes regionais, além da contratação de uma consultoria, a CH2M, para administrar os investimentos em bens de capital (capex) da Iguá Saneamento. “Com a saída do controlador, foram pactuadas novas linhas de crédito e tivemos acesso ao mercado securitário. As mudanças também permitiram a redução da relação entre dívida líquida e Ebitda, que caiu de 7,5 para 4”, comemora Mattos, que montou a IG4 no ano passado, com ex-sócios da GP.

De acordo com ele, a gestora visa preencher uma “lacuna” do mercado. “Os grandes gestores de private equity brasileiros não olham para os ativos das empresas em momentos anticíclicos. Em poucos casos a tese de investimento está baseada na mudança de estrutura de capital”, observa Mattos. No exterior, por outro lado, é comum as assets criarem fundos com foco exclusivo em “situações especiais” — outro nome dado ao investimento em ativos estressados. É o que fazem, por exemplo, Oaktree e Cerberus — esta parceira da IG4 em um novo fundo, que deve captar até 450 milhões de dólares (desse total, 105 milhões de dólares já foram garantidos por dois grandes investidores estrangeiros). Com esse dinheiro, a IG4 planeja fazer oito investimentos em quatro anos. A Cerberus entrará como coinvestidora nos deals maiores, já que a asset americana costuma assinar cheques gordos, superiores a 100 milhões de dólares.

 

Promessas

Além de oportunidades no setor de saneamento, um segmento que desperta a atenção de Mattos é o imobiliário, um dos mais abalados pela crise. “Nosso fundo pode comprar um CRI [certificado de recebíveis imobiliários] de uma instituição financeira, estoques de incorporadoras e até a própria empresa de real estate”, enumera Mattos. E não é só ele que está de olho nesse setor. Boa parte do trabalho da IRR Capital, fundada por Isadora Rebouças em maio deste ano, é dedicada à reestruturação de ativos imobiliários de bancos e incorporadoras, com o objetivo de maximizar os valores de venda. A IRR, explica Rebouças, não estrutura fundos voltados a esse tipo de investimento, mas estabelece relação com os que já captaram recursos e estão prontos para fazer alocações entre 20 milhões e 40 milhões de reais. “Às vezes conseguimos separar uma mesma operação em dois fundos diferentes, maximizando o valor para o vendedor do ativo”, relata Isadora, que antes de abrir a IRR chefiou a área da RK Partners dedicada à estruturação de investimentos imobiliários para a Cerberus.

O setor imobiliário também atrai os olhares da GRT Partners, fundada em outubro do ano passado. A consultoria se dedica à reestruturação financeira de empresas em dificuldades e tem parcerias com fundos internacionais focados em situações especiais. De acordo com Rodrigo Ferraz, sócio da GRT, a consultoria está atualmente no processo de captação de seu primeiro fundo dedicado a distressed assets. O objetivo é levantar até 500 milhões de dólares com investidores estrangeiros para um veículo que aportará recursos exclusivamente em negócios no Brasil. Num primeiro momento, seus alvos serão imóveis comerciais e residenciais em São Paulo e no Rio de Janeiro; depois, serão analisadas oportunidades no mercado de dívidas não performadas e de compra de participações em empresas em dificuldades. Nesse último caso, ressalta Ferraz, o investimento só será feito se existir certeza de que há “uma joia da coroa para desenterrar”.

A compra de créditos inadimplentes é mais um segmento da indústria de distressed asset que ganha novos participantes. A Localize, especializada em investigação de ativos e que atende principalmente bancos que contratam o serviço para recuperar dívidas não pagas, se uniu a uma gestora — cujo nome ainda não pode ser revelado — para estruturar um fundo focado em crédito em situação de estresse. A ideia é que a Localize atue como consultora desse veículo de investimento, cuja meta é captar cerca de 300 milhões de reais. Presidente da Localize, Rafael Nogueira afirma que o momento é propício para esse tipo de operação. “Agora que a economia volta a dar sinais de recuperação, os bancos tendem a renovar suas carteiras, vendendo dívidas antigas e focando em novos empréstimos.”

A julgar pela quantidade de novos entrantes, tudo indica que a indústria de distressed asset não será a mesma depois que a atual crise passar. Mas será que esses agentes serão capazes de sobreviver quando a economia voltar aos trilhos? Mattos, da IG4, tem certeza que sim. “Não é preciso uma crise do tamanho que estamos vivendo hoje para que existam oportunidades de negócio. Sempre haverá setores em dificuldade precisando de aporte”, sentencia.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity Gestão de Recursos mercado de capitais crise política investimento distressed assets crise Operação Lava Jato ativos estressados Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fora do pódio
Próxima matéria
Para chegar à terceira geração




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Fora do pódio
O pequeno estado americano de Delaware não tem nem 1 milhão de habitantes, mas sempre foi o preferido da advocacia...