“O governo tem que voltar a poupar”

Reportagem especial / Edição 133 / 1 de setembro de 2014
Por 


o-governo-temDesde que começou a trabalhar no mercado financeiro, em 1967, Luiz Carlos Mendonça de Barros viu dez homens e uma mulher tomarem posse como presidentes do País. Fundou uma corretora, uma empresa de fomento cultural e dois bancos. Também foi presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por três anos, ministro das Comunicações e gestor de recursos. Não teve uma trajetória livre de polêmicas: a acusação de favorecer empresas na época das privatizações lhe custou, em novembro de 1998, o ministério que havia assumido sete meses antes, logo após deixar o BNDES, onde estava desde 1995. Não foi provado o favorecimento, e a absolvição completa veio em 2011. Desde 2001, Mendonça de Barros é o principal nome da gestora Quest — hoje com oito fundos e R$ 2 bilhões em recursos sob gestão. Em quase 50 anos de atuação, ele aprendeu que não se muda um povo: os brasileiros vão continuar sendo consumidores, não poupadores.

Em termos macroeconômicos, qual é a principal medida que o governo deveria tomar para dinamizar o mercado de capitais?
O governo teria que gastar menos. Ao voltar a ter uma meta de poupança — o superávit primário — e cumpri-la, conseguiria tirar a pressão sobre os juros de títulos públicos. Atualmente, os títulos nacionais chegam a render 6% acima da inflação. O resultado disso é que fundos de pensão, investidores institucionais e os poucos brasileiros poupadores preferem esse investimento, sem risco. Com menos gasto governamental, o pequeno bolo de poupança privada do Brasil seria mais bem distribuído, assim como a poupança externa que entra no País e investe em títulos públicos.

E na arrecadação? Precisamos de uma reforma tributária?
No momento, a reforma tributária é um sonho de uma noite de verão. O governo arrecada o suficiente para cobrir as despesas dele. Não tem como diminuir os impostos se o Estado não passar a gastar menos antes.

O senhor acha que o governo deveria tomar atitudes para reduzir o consumo das famílias e aumentar, assim, a quantidade de dinheiro disponível para investimentos?
Não. O povo brasileiro é um povo consumidor. O mercado de capitais brasileiro acaba sofrendo as consequências dessa característica da sociedade — mas não dá para mudar um povo. Já estou velho o bastante para reconhecer isso. O consumo das famílias corresponde a dois terços do PIB. Na China e na Coréia do Sul, é menos de 40%. Contudo, o brasileiro não vai começar a poupar como eles. É cultural. Para economizar tanto quanto um coreano, o brasileiro teria que morar, por exemplo, num apartamento de 30 metros quadrados. Ninguém quer isso — queremos 70 metros quadrados. Somos uma sociedade de cigarras, não de formigas. Não é à toa que foram criados mecanismos de poupança compulsória, como o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O governo deveria, no máximo, tornar mais difícil o saque desses recursos, para evitar que fossem usados para financiar o consumo.

Precisamos reformar a estrutura de nosso mercado de capitais para tornar os investimentos mais fáceis?
Não, o sapato não aperta aí. É evidente que as regras precisam estar em constante transformação, porque alguém sempre descobre uma maneira de burlá-las, mas a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Banco Central têm sido muito eficientes em se modernizar. Existem alguns setores na economia brasileira que possuem estrutura de primeiro mundo, e o mercado de capitais é um deles. Aqui, um caso como o de Bernard Madoff [gestor de recursos preso em dezembro de 2008 por fraude nos Estados Unidos] não aconteceria, porque tudo se registra eletronicamente. É extremamente fácil recompor o caminho de um ativo.

Em termos regulatórios, não temos com que nos preocupar?
Devemos observar, e talvez até antecipar, o que os Estados Unidos fazem com relação a certas novidades, como o high frequency trading (HFT), por exemplo. E, então, criar sistemas e estratégias para proteger os pequenos investidores de acidentes. As operações de alta frequência ainda são poucas [cerca de 13% do volume negociado no Brasil, contra mais de 50% nos Estados Unidos]. Se o volume aumentar muito, no entanto, podemos ter problemas. É um assunto em que a CVM deve prestar atenção.

Como as empresas brasileiras podem buscar financiamento, considerando que têm de competir com o governo, que toma emprestado a taxas altas?
As grandes empresas têm boas alternativas internas e externas, como financiamento bancário, investimento direto e bolsa de valores. Para as médias é mais difícil. Temos um sistema bancário oligopolizado, em que as taxas cobradas e as margens de lucro obtidas são muito altas. Essa concentração, entretanto, aconteceu no mundo todo após a crise de 2008.

O governo recentemente publicou a MP 651 para incentivar a listagem de PMEs. É uma boa solução?
Isso é uma bobagem. O melhor incentivo fiscal que o governo pode dar é gastar menos e aumentar a poupança dele, para assim conseguir diminuir a taxa de juros.

O BNDES é muito criticado por emprestar a juros subsidiados e travar o desenvolvimento do mercado de capitais. Qual deveria ser o papel dele?
Servir como âncora, referência e suplemento, comprando debêntures ou ações emitidas por empresas. Não é papel do BNDES distribuir empréstimos como vem fazendo.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Investimentos CAPITAL ABERTO mercado de capitais HFT BNDES poupança China Coreia do Sul high frequency trading consumo taxa de juros ações preferenciais Luiz Carlos Mendonça de Barros superávit primário Quest Investimentos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
“O peso do Estado deve ser reduzido”
Próxima matéria
“Falta coerência ao tributar”




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
“O peso do Estado deve ser reduzido”
O economista Gustavo Franco, sócio da gestora Rio Bravo Investimentos, estava no olho do furacão quando o Plano Real foi implementado...