As escolhas se repetem

Como as concessões do governo aos fazendeiros descontentes com a abolição da escravatura geraram uma grave crise financeira

Prateleira/Edição 132 / 1 de agosto de 2014
Por 


Observando o passado recente, descreveria a trajetória macroeconômica brasileira em minha vida adulta como uma série de crises espaçadas por breves períodos de recuperação. Deste ângulo, a narrativa do professor John Schulz sobre A crise financeira da abolição não surpreende, pois nossa criatividade para promover crises parece ter raízes remotas. O relato cobre um período amplo da história do Brasil, com foco no ambiente político-econômico entre a queda do Império e a década seguinte à proclamação da República (de 1820 a 1900, aproximadamente).

Embora o título da obra realce os efeitos do processo de abolição da escravatura sobre a estrutura produtiva do País, a narrativa acaba pintando um quadro mais amplo dos desafios econômicos do período e do desenvolvimento brasileiro. Em 1883, os cerca de 1,5 milhão de escravos no Brasil representavam 13% da população e a esmagadora maioria da força produtiva na agricultura, que era o motor da economia naquela época. As pressões por mudança, no entanto, já vinham se avolumando havia tempos e desembocaram na promulgação da Lei do Ventre Livre, em 1871. Os fazendeiros, parte importante da classe dominante no período, queriam do governo subsídios e reformas para ajudar a reorganizar sua produção, numa demanda que ficou conhecida por “política de braços e capitais”. Naturalmente, essa modificação provocou a necessidade de uma reforma financeira no país, que só poderia ser conduzida pelas autoridades político-econômicas da época.

Para conseguir novos braços, o governo promoveu uma série de medidas para atrair imigrantes europeus, que foram enviados principalmente para as emergentes lavouras de café no interior de São Paulo. Mas foi a política monetária que levou o País a sucessivas crises naquele momento. Os políticos perceberam a necessidade do crédito fácil para acalmar os fazendeiros e aproveitaram um período de empréstimo externo abundante (vindo da Inglaterra) e preços agrícolas elevados para promover frouxidão monetária. Além disso, cometeram alguns abusos ainda mais graves, como a permissão para bancos privados imprimirem dinheiro.

Esse ambiente de lassidão financeira travestida de prosperidade criou as condições ideais para o aparecimento de uma bolha especulativa, que ficou conhecida como Encilhamento. Por fim, conforme estamos cansados de saber hoje em dia, o excesso de oferta monetária depreciou o câmbio acentuadamente, transformando-se em inflação, e o balanço dos bancos ficou muito frágil. Isso levou a uma grave crise financeira sistêmica.

É interessante avaliar as escolhas econômicas do passado, quando esse conhecimento ainda não estava organizado de forma que permitisse decisões fundamentadas. Mesmo hoje, dispondo de um arcabouço metodológico para examinar causas e efeitos de políticas econômicas no processo de fazer escolhas, a sociedade fica à mercê de resoluções imediatistas de caráter descaradamente fisiológico. Levando em conta o ambiente do século 19 — o nível educacional era muito baixo e o chamado quarto poder, a imprensa, ainda engatinhava —, não surpreende a enorme transferência de riqueza da sociedade para as elites ligadas à agricultura, no bojo da transformação abolicionista. Difícil é aceitar que tais práticas persistam no mundo atual, disfarçadas de subsídios fiscais e nacionalismo (leia-se protecionismo) hipócrita.

A crise financeira da abolição, John Schulz. Edusp. 275 páginas. 2ª edição, 2013


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais crise financeira século 19 política monetária Encilhamento bolha especulativa A crise financeira da abolição John Schulz Lei do Ventre Livre Império República transferência de riqueza lassidão financeira política de braços e capitais escravidão Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Seleção cuidadosa
Próxima matéria
Alguém sabe, alguém viu?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Seleção cuidadosa
Responsável pela gestão de recursos no Brasil Plural, Carlos Eduardo Rocha se orgulha do trabalho de análise feito por sua equipe....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}