O machismo das máquinas

Repórter revela algoritmo que oferece o mínimo salário possível, de acordo com as características do candidato

Bolsas e conjuntura / N@ Web / 24 de junho de 2017
Por 


 

Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

E se os algoritmos não estiverem mudando o mundo, mas sim ajudando a perpetuar velhos hábitos? Para Amir Efrati, repórter do site especializado em tecnologia The Information, isso de fato está acontecendo — pelo menos no caso do Uber. Nos seus processos de seleção de funcionários, a empresa de transporte privado estaria usando um algoritmo que calcula a oferta do mínimo salário possível para os candidatos, de acordo com as características de cada um — o que faria, por exemplo, com que as mulheres, que tradicionalmente ganham menos que os homens, ficassem em desvantagem. Um trecho da reportagem, publicada por Efrati no Twitter, causou indignação. “É a perpetuação da desigualdade de gênero em troca de lucro”, alfinetou um usuário. “Aqueles que ganham menos, por qualquer razão, estão em desvantagem, e os algoritmos estão potencializando isso. Não tem sentido duas pessoas ganharem salários diferentes por um mesmo serviço”, criticou uma usuária.

 

 

 

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  algoritmos Uber n@ web Amir Efrati The Information seleção de funcionários recrutamento Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A ameaça do algoritmo
Próxima matéria
Câmara baixa do Carf profere decisão favorável à B3



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A ameaça do algoritmo
O conceito matemático é bem antigo, mas não faz muito tempo que a expressão “algoritmo” se popularizou — disseminação...