Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
Vice-presidente do Banco Central Europeu diz que “é muito cedo” para cortar juros
Dirigente destaca inflação em queda, mas afirma que salários e margens de lucro podem atrasar retorno à meta
Banco Central Europeu, Vice-presidente do Banco Central Europeu diz que “é muito cedo” para cortar juros, Capital Aberto

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, disse hoje que ainda é “muito cedo” para discutir cortes de juros. A declaração foi feita em entrevista ao jornal espanhol 20 minutos.

Embora diga que os últimos indicadores de inflação na zona do euro vieram “favoráveis”, ele pondera que o BCE ainda está de olho na evolução dos custos salariais e nas margens de lucro das empresas – fatores que, segundo ele, podem atrasar o recuo da inflação para a meta de 2%.

Confira os principais trechos da entrevista:

Cedo demais

“As taxas de juros estão fazendo o que se espera delas, que é reduzir a inflação. A política monetária opera apertando as condições de financiamento: taxas de juros mais altas afetam os níveis de atividade econômica. E, quando a atividade econômica é desacelerada, a inflação diminui. Uma vez que observemos que a inflação esteja claramente convergindo de maneira estável para nossa meta de 2%, a política monetária pode começar a relaxar. Mas ainda é muito cedo para que isso aconteça.”

Inflação em queda

“Há um ano, a inflação estava acima de 10%, e agora está abaixo de 3%. Os indicadores de inflação subjacente também são favoráveis. Ou seja, há uma clara desaceleração na inflação, basicamente porque os componentes relacionados à oferta e à energia que estavam impactando negativamente começaram a diminuir, e porque a política monetária está produzindo efeitos.”

Pressões

No entanto, o crescimento médio dos salários na área do euro é superior a 5%, enquanto a produtividade está melhorando apenas ligeiramente. Isso significa que os custos unitários do trabalho estão aumentando, o que adiciona pressões inflacionárias. Em 2022, as margens de lucro aumentaram consideravelmente, mas neste ano o aumento tem sido mais moderado. Isso se deve em parte às empresas absorvendo parte do aumento nos custos salariais, o que, por sua vez, está contribuindo para o crescimento moderado da inflação. 

Vamos analisar o desenvolvimento dos custos salariais e das margens de lucro, pois ambos os fatores podem atrasar o retorno da inflação à nossa meta de 2%.  Estamos acompanhando isso de perto.

Estados Unidos

Os fundamentos e ciclos econômicos dos Estados Unidos diferem dos da Europa. A política fiscal dos EUA tem sido muito mais expansiva, o crescimento é maior e a taxa de desemprego, abaixo de 4%, é ainda menor do que na área do euro. Com uma taxa de desemprego de 6,5%, nosso mercado de trabalho está em boa forma, mas, de modo geral, as economias estão em situações diferentes. Como o banco central da maior economia do mundo, o que o Federal Reserve faz é relevante, mas não determina as decisões monetárias do Banco Central Europeu.

Para ler a íntegra da entrevista, em inglês, clique aqui


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 9,90/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.