Fundos de private equity são alternativa de smart money

Pesquisas mostram quais características os investidores buscam nas empresas

Captação de recursos/Explicando / 22 de maio de 2020
Por , e


O que buscam os investidores de private equity

Ilustração: pch.vector / Freepik

Predominam na economia brasileira as pequenas e médias empresas. Apesar de muitas serem bem geridas, resilientes e capazes de crescer num ambiente volátil e desafiador, necessitam de novos processos e controles para superar crises como a gerada pela pandemia de covid-19, assim como para adaptar seu modelo a uma escala maior, sem perda de qualidade. 

Além de fazerem o aporte de capital, fundos de private equity (PE) podem auxiliar o empresário na superação da turbulência, no reposicionamento pós-crise e na preparação da empresa para um crescimento sustentável. Fundos de PE compram participação acionária de empresas com intuito de criar valor enquanto acionista e vendê-la após um período de quatro a cinco anos numa avaliação maior. Participam do conselho de administração, auxiliando o time de gestão na implementação de processos gerenciais e de controle.   

Numa pesquisa da Ártica, Insper e Endeavour¹, dos 46 empresários entrevistados que receberam investimento de PE, apenas um respondeu que não recomendaria esse tipo de sociedade a outros empresários. As contribuições oferecidas pelo fundo mais citadas foram profissionalização de gestão e processos, governança e atração de talentos. Outras também mencionadas foram acesso a outras fontes de capital, condução de IPO (oferta pública inicial de ações), parcerias e networking com outras empresas investidas, disciplina, visão estratégica e visibilidade.    

Numa segunda pesquisa, Ártica e Insper², com o intuito de orientar as empresas que buscam recursos de PE a se prepararem melhor para o investimento e aumentarem sua atratividade, entrevistaram por formulário online 42 gestoras de PE atuantes no Brasil. As gestoras segmentam-se de acordo com o porte de empresas de interesse: algumas se concentram em pequenas e médias, geralmente com mais informalidade e menos processos estabelecidos, realizando investimentos menores; outras focam em empresas médias e grandes, investindo montantes maiores.   

As gestoras também se dividem em preferência por adquirir controle acionário e por comprar participação minoritária. Quanto maior a faixa de tamanho alvo, maior tende a ser a participação acionária desejada. Há, entretanto, flexibilidade quanto à participação acionária a ser adquirida. Assim, o empresário que quer se manter no controle pode tentar negociar essa possibilidade até com uma gestora que prefira aquisição majoritária, e vice-versa. Além disso, mesmo as gestoras que preferem controle geralmente desejam manter a gestão corrente, o que pode permitir ao empresário que vende o controle continuar conduzindo sua empresa após o ingresso do fundo. 

 Empresas com faturamento entre 100 milhões e 200 milhões de reais Ebitda entre 20 milhões e 80 milhões de reais estão dentro da faixa alvo de 70% das gestoras. Apesar de haver restrição ao investimento em empresas que vendem para o governo, se este representar menos do que 25% das vendas, 86% das gestoras entrevistadas considerariam a compra. A maior parte das gestoras no Brasil é agnóstica quanto a setor, sendo poucas as especializadas.    

Potencial de crescimento e governança em private equity

A tese de investimento predominante é crescimento, tanto orgânico como por aquisição e consolidação. Em linha com essa tese, crescimento consistente e histórico de alta rentabilidade (Roic) são muito valorizados, assim como o potencial de crescimento orgânico. As maiores gestoras valorizam muito a reputação da empresa e do empresário, e as menores valorizaram mais planos de negócios sólidos e bem desenvolvidos e potencial de captura de valor via melhorias operacionais e de gestão. 

Informações gerenciais bem organizadas compõem o item de governança mais valorizado. Sua ausência foi considerada como dealbreaker por mais que 80% das gestoras. Conselho de administração constituído e conselheiro independente foi um ponto considerado menos importante. O fato de a empresa ser auditada é muito valorizado por gestoras maiores, mas é menos importante para as menores, que atribuem mais valor à condição de a empresa ser auditável e ter uma diretoria estruturada e profissionalizada. 

Fundos de PE valorizam o monitoramento de KPI (indicador-chave de desempenho), por permitirem o acompanhamento da execução do planejamento estratégico e da evolução do desempenho, assim como empresas com ERP (sistema de planejamento de recursos da empresa) e contabilidade interna. O conhecimento e relacionamento não concentrados em um único acionista é um ponto muito bem visto pelas gestoras, enquanto processos formais estabelecidos e management não acionista são menos valorizados. 

Alinhamento entre os sócios de PE

Os aspectos societários mais valorizados são alinhamento entre sócios sobre a entrada do fundo e clareza sobre quais sócios permanecerão no negócio, além de um bom entendimento a respeito de como a sociedade impactará a operação. Os desalinhamentos por saída são mais comuns no modelo minoritário, no qual o fundo depende da concordância do empreendedor para conseguir vender a empresa. Consistentemente, gestoras menores valorizam bastante que a empresa tenha clareza sobre a necessidade de saída e de liquidez por um fundo.   

As práticas irregulares de gestão que preocupam mais os fundos são informalidade na receita, descumprimento de determinações regulatórias — provavelmente por receio de incorrerem em perda de receita numa futura formalização — e paralisação da operação, no caso de riscos regulatórios. Contingências tributárias e trabalhistas, embora preocupem, têm menor probabilidade de inviabilizar uma operação. Das gestoras entrevistadas, 71% responderam que não considerariam o investimento em empresas que se envolveram em casos de corrupção, mas esse percentual cai para 37% caso essa prática fique restrita a poucas pessoas, que já tenham sido afastadas da empresa. Atenuantes como acordo de leniência ou isenção de culpa dos acionistas foram menos valorizados. 

A contratação de advogados de banca renomada, assim como de assessor de instituição financeira reconhecida, ambos com ampla experiência em fusões e aquisições e contribuindo com inputs técnicos às discussões, são preferidas pela maioria das gestoras em relação a alternativas de advogado e assessor financeiro de confiança do dono, com acesso a percepções pessoais e com inputs qualitativos às discussões. Uma preparação prévia contábil, financeira e legal da empresa para passar por uma diligência do fundo é valorizada por 87% das gestoras. 

A parceria com um fundo de PE pode ser muito benéfica para a empresa.  Como em geral é inviável cumprir todos os pontos desejáveis para se preparar para um fundo, é necessário entender quais são os fatores mais valorizados pelas gestoras e, assim, priorizar esforços. O relacionamento com um fundo de PE é análogo a um casamento, com tomada de decisão compartilhada, envolvendo constantes discussão e negociação. Mesmo os fundos minoritários incluem no acordo de acionistas mecanismos que permitem influenciar na gestão. 

Assim, deve-se fazer um processo de seleção estruturado, que envolva alternativas, e ser diligente na escolha do futuro sócio, triangulando diferentes fontes de informações a respeito dos gestores para tomar a decisão final, e não escolher o parceiro apenas pela melhor oferta.   


Andre Minardi

Andrea M. A. F. Minardi (minardi@insper.edu.br) é professora Senior Research Fellow do Insper. Co-autoria de Diego Batista (diego.batista@articainvest.com.br), sócio fundador e vice-presidente da Ártica Investimentos, e Luiz Penno (luiz.penno@articainvest.com.br), fundador e managing partner da Ártica Investimento 


Notas

¹Ártica, Insper e Endeavour (2018). “Empresas Investidas por Fundos de Private Equity no Brasil.  Lições Aprendidas”. Disponível em https://www.insper.edu.br/wp-content/uploads/2018/09/Empresas-Investidas-por-PE-Brasil-white-paper.pdf 

²Ártica, Insper (2020). “Atraindo Investimentos de Private Equity: o que as Gestoras mais Valorizam em suas Avaliações”. Disponível em https://www.insper.edu.br/wp-content/uploads/2020/04/Whitepaper-Atraindo-Investimentos-de-Private-Equity-%C3%81rtica-e-Insper.pdf 


Leia também

ETFs, um dos grandes sucessos desta crise, atesta CEO da BlackRock

Pandemia abre espaço para primeiras assembleias digitais

Aumenta concentração acionária nos Estados Unidos



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity fundo de investimento Coronavírus Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O Direito concorrencial em tempos de pandemia
Próxima matéria
Crise política ou de liderança?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O Direito concorrencial em tempos de pandemia
A pandemia de covid-19 provocou enormes problemas para todos os países, de ordem sanitária e também econômica e...