“É necessário reduzir a burocracia e os custos das empresas”

JOSÉ ALEXANDRE SCHEINKMAN

Especial/Governança Corporativa/Edições/Temas/Reportagem/10 anos de Novo Mercado / 1 de abril de 2012
Por 


O economista José Alexandre Scheinkman precisou se desdobrar para participar das reuniões do grupo que concebeu o Novo Mercado. Suas atividades na Universidade de Princeton exigiam que passasse muitas horas em voos entre Brasil e Estados Unidos. Ele se recorda que os estudos internacionais da época já apontavam que a governança era peça chave para criar valor aos acionistas e investidores.

O economista argumenta que os desafios do Novo Mercado se confundem com os das empresas brasileiras, cuja grande dificuldade é lidar com o alto nível de burocracia e os custos impostos pelo governo. “À medida que abrir um negócio for mais fácil, o mercado de capitais irá avançar.”




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Bolsa de valores Governança Corporativa Novos Mercados Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
"Até quando o Novo Mercado vai ser novo?"
Próxima matéria
Na ponta do lápis



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
"Até quando o Novo Mercado vai ser novo?"
Com o estudo Desafios e Oportunidades para o Mercado de Capitais Brasileiro em mãos, o então superintendente da Bovespa...