Preferência pelo mercado nacional

Edição 18 / 1 de fevereiro de 2005
Por 


As empresas começaram a deixar de lado o mercado externo na hora de captar recursos. De acordo com dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), o volume de emissões externas em 2004 caiu 38% em relação ao ano passado, de R$ 23,7 bilhões para R$ 14,6 bilhões. Algumas incertezas no cenário internacional ajudam a explicar este quadro. Uma delas é a preocupação com a elevação dos juros norteamericanos, que acaba tornando as taxas de captação lá fora menos atrativas para as companhias aqui.

O resultado foi um crescimento de 72% em volume nas ofertas de debêntures em relação a 2003, para R$ 8,9 bilhões. As emissões de títulos de curto prazo, como as notas promissórias, permaneceram estáveis nos dois últimos anos. Em relação a 2000, já registram queda de 57%. As novidades ficaram por conta das emissões em reais no mercado internacional. Em volume, as três maiores operações foram realizadas por Bradesco, Unibanco e Banco Votorantim, emitindo R$ 276 milhões, R$ 207 milhões e R$ 206,3 milhões, respectivamente. Os setores que mais captaram em 2004 foram os de Tecnologia da Informação (TI), telecomunicações e energia elétrica.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Governança é a 3ª da lista
Próxima matéria
Uma opção de hedge




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Governança é a 3ª da lista
A governança corporativa das companhias já começa a pesar na decisão de investimentos das pessoas físicas. E não é só....