Fusões e aquisições: como maximizar o investimento?

Clique aqui e conheça o estudo completo Apesar do cenário econômico de incertezas, ainda há apetite para transações estratégicas no País. É o que se pode observar a partir dos resultados do estudo “Pesquisa de Integração – Entendendo os desafios locais para maximizar o retorno de investimento em …

Deloitte | Audit & Assurance/Edição 11 / 11 de dezembro de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Clique aqui e conheça o estudo completo

Apesar do cenário econômico de incertezas, ainda há apetite para transações estratégicas no País. É o que se pode observar a partir dos resultados do estudo “Pesquisa de Integração – Entendendo os desafios locais para maximizar o retorno de investimento em M&A”, recém-lançado pela Deloitte. Dos entrevistados, 63% afirmam que vão manter ou até mesmo elevar o nível de investimento em fusões ou aquisições no Brasil nos próximos dois anos. Participaram da pesquisa 87 empresas que estiveram envolvidas em transações estratégicas no Brasil nos últimos três anos.

A maioria (77%) destaca que a integração pós-fusão ou aquisição pela qual passaram foi bem-sucedida. Apenas 18% afirmam ter atravessado uma integração aquém da expectativa de sucesso e 5% não opinam sobre o tema.

Qual é a chave do sucesso? O estudo traz uma boa ideia da resposta. A maior parte das empresas entrevistadas (69%) diz ter elaborado e executado um plano formal de integração, contra 31% que não dispuseram dessa estratégia. O primeiro grupo saiu em vantagem: 87% afirmam ter obtido sucesso. No segundo, que não contou com processo de integração, a taxa de êxito foi de 54%.

Concretizar uma integração é uma tarefa árdua. Sem os cuidados necessários, esse processo pode demandar mais tempo, esforços e recursos do que o esperado. Isso consequentemente dificulta a captura de valor do investimento.

De acordo com os entrevistados, apenas 27% das transações brasileiras capturaram as sinergias planejadas em menos de um ano — já para empresas americanas, esse índice é de 74%. “A chance de sucesso em uma operação de fusão ou aquisição será maior se as empresas envolvidas estiverem preparadas para lidar com obrigações legais e regulatórias, complexidade fiscal e planejamento abrangente da integração”, destaca Renata Muramoto, sócia especialista da Deloitte em integrações e separações de empresas.

A seguir, cinco práticas que ajudam a mitigar riscos e a facilitar cada transação.

1. Conduzir um bom processo de due diligence.
Isso envolve o engajamento da liderança do negócio desde o início para questionamento de informações da due diligence e estimação das metas de sinergia no tempo, considerando a complexidade da integração.

2. Possuir um forte patrocínio executivo.
Desenvolvimento de um mapa de stakeholders a serem envolvidos, com cadência específica para o planejamento da integração.

3. Designar uma equipe dedicada para a integração.
Garantir que a equipe tenha uma forte liderança para entender os impactos estratégicos da transação e os riscos de cada decisão em todo o negócio.

4. Desenvolver um plano abrangente.
Elaborar um plano dividido em fases, vinculado às metas de integração, com responsáveis bem definidos e levando em consideração interdependências entre equipes de trabalho.

5. Criar um programa robusto de comunicação, cultura e geração de mudanças.
Entender as particularidades da cultura de cada empresa e criar um plano de ação para endereçar possíveis conflitos, comunicar com clareza e criar processos de feedback.

 

Gostou do artigo?

Cadastre-se e não perca nenhum texto deste canal.
Receba por e-mail um aviso sempre que um novo texto for publicado.



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fusões e aquisições Deloitte Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Captações com valores mobiliários atingem menor patamar desde 2009
Próxima matéria
Decisão indica parâmetros para segurança do trabalho do auditor



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Captações com valores mobiliários atingem menor patamar desde 2009
O ano ainda não acabou, mas o balanço das captações via emissão de valores mobiliários já aponta o menor patamar...