BM&FBovespa é reconhecida internacionalmente por sua atuação em prol da igualdade de gênero

B3 / 10 de março de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

A BM&FBOVESPA teve seus esforços em benefício da igualdade de gênero reconhecidos no documento How stock exchanges can advance gender equality, elaborado pela Sustainable Stock Exchanges (SSE), iniciativa da ONU liderada por Princípios para o Investimento Responsável (PRI), UNEP Financial Initiative, Pacto Global e Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Esse documento destaca, em 13 mercados distintos, 14 bolsas de valores, entre elas a BM&FBOVESPA, que têm boas práticas relacionadas ao tema igualdade de gênero e que se empenham em desenvolver inciativas que promovam o empoderamento de mulheres no ambiente corporativo e a conscientização da importância de endereçar esse tema de modo a agregar valor a seus negócios.

Leia a seção sobre a BM&FBOVESPA no documento da SSE abaixo.

BM&FBOVESPA – BRASIL¹

No Brasil, segundo estudo da KPMG², 36% das 223 maiores empresas de capital aberto têm, pelo menos, uma mulher em seus conselhos de administração, o que representa, contudo, apenas 6% de mulheres em cargo de liderança, sendo de 16%³ a proporção média de mulheres em cargos de gerência.

A maioria de diretores presidentes (CEOs) e fundadores é masculina, tanto em empresas de capital aberto quanto em empresas de capital fechado. Todavia, a BM&FBOVESPA desenvolveu vários programas de educação para mulheres, que são oferecidos a empreendedoras em potencial, diretoras executivas, conselheiras e acionistas de empresas não listadas em bolsa, com conteúdos do mercado de capitais, por exemplo, como funciona uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), visando incluí-la também nos planos estratégicos de suas empresas em um futuro próximo. Há dois tipos de programa para esse público-alvo:

• reuniões de um dia em que empreendedoras com diferentes experiências discutem sua participação no mundo dos negócios e trocam ideias sobre seus desafios e oportunidades; e

• programas de educação executiva, voltados a seleto grupo de profissionais do sexo feminino com orientação individual e apoio à estratégia empresarial para melhor compreensão do significado da abertura de capital.

O Instituto Educacional BM&FBOVESPA, por sua vez, oferece o curso Mulheres em Ação, com foco na aplicação dos princípios do planejamento financeiro visando fortalecer a cultura de poupança para a formação de patrimônio.

A Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF), da qual a BM&FBOVESPA é uma das mantenedoras, tem um programa de educação financeira voltado a mulheres de baixa renda, que já atendeu a 1.500 mulheres e tem o objetivo de ampliar esse número para 4 mil.

Além disso, empresas integrantes da carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) têm políticas ou programas de igualdade de gênero sólidos, que, de modo geral, compreendem reuniões, treinamentos e eventos que visam empoderar o talento feminino. Algumas dessas empresas também apoiam projetos sociais que promovem a igualdade de gênero, reforçam os direitos fundamentais e combatem a discriminação.

O questionário do ISE a ser respondido pelas empresas que participam de seu processo tem várias perguntas relacionadas a gênero e diversidade, entre elas, por exemplo:

• o número de mulheres que participam do conselho de administração e em cargos de diretoria e de gerência;
• remuneração por gênero;
• política de licença-maternidade; e
• compromissos formais com o combate à discriminação e com o respeito à orientação sexual.

As iniciativas da BM&FBOVESPA relativas a diversidade enfocam dois temas: pessoas com deficiência e mulheres no local de trabalho. Seu Relatório Anual destaca como a empresa trabalha para melhorar a diversidade em todos os níveis. Desde 2012, a Bolsa promove, a cada ano, a semana da diversidade para debater e trocar experiências sobre os desafios do tema, com depoimentos, simulações, bem como participação e engajamento dos funcionários. Além disso, a BM&FBOVESPA estabeleceu as seguintes metas internas:

• equilibrar o número de mulheres e homens nos programas de jovens talentos;
• manter o turnover baixo para mulheres após a gravidez; e
• manter alto o índice de satisfação da pesquisa de funcionários em questões relacionadas a inclusão e diversidade (acima de 80% de satisfação).

Para atingir essas metas, a Bolsa:
• introduziu foco na igualdade de gênero no recrutamento de funcionários;
• ampliou a licença-maternidade de 4 para 6 meses; e
• passou a ter sala de apoio à amamentação.

Para assegurar a observância de seu Código de Conduta, que proíbe o assédio e a discriminação, todos os funcionários são obrigados a lê-lo e assiná-lo, além de participar de treinamento on-line.

Em 2012, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou a Rede de Mulheres Brasileiras Líderes pela Sustentabilidade, da qual participa a Diretora de Imprensa, Sustentabilidade e Comunicação da BM&FBOVESPA como membro do Comitê Permanente de Comunicação e Relações Institucionais.

“A BM&FBOVESPA entende que diversidade e igualdade de gênero são uma agenda positiva e estratégica, que promove diferentes olhares e pontos de vista e agrega valor aos negócios. Neste contexto, desenvolvemos uma série de iniciativas que visam o empoderamento da mulher e a consolidação do seu protagonismo nos diversos setores da sociedade. Esta agenda vem apresentando evolução, mas precisa ser tratada, cada vez mais, com maior naturalidade pelo mercado. Seguiremos trabalhando forte nesta pauta, estimulando as empresas listadas e demais agentes do mercado de capitais brasileiro neste caminho.”

Edemir Pinto, Diretor Presidente da BM&FBOVESPA


¹ Texto publicado pela Sustainable Stock Exchanges (SSE), em How stock exchanges can advance gender equality, 2017.
² KPMG (2016). A Governança Corporativa e o Mercado de Capitais.
³ Dados da Bloomberg para 2016.



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  bmfbovespa ISE diversidade canal BM&FBovespa igualdade igualdade de gênero Índice de Sustentabilidade Empresarial

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Norma IFRS 15 é novo desafio para empresas brasileiras
Próxima matéria
Sem sentido?




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Norma IFRS 15 é novo desafio para empresas brasileiras
A realidade de boa parte das empresas brasileiras deve mudar a partir de 1º de janeiro de 2018, quando passa a vigorar...