CVM rejeita acordo com dono da RJCP

25/8/2014



No último dia 5, o colegiado da CVM rejeitou a proposta de termo de compromisso apresentada por Marcelo Bastos, dono da RJCP.  O empresário se dispôs a pagar R$ 30 mil para encerrar o processo administrativo em que é acusado de manipular os preços das ações da Marambaia (PAS RJ 2013/5.194). Para a autarquia, a oferta não fez nem cócegas. “A proposta mostra-se flagrantemente desproporcional à natureza e à gravidade da acusação imputada aos proponentes”, concluiu. Sem acordo, o caso será julgado pela CVM.

A Marambaia integra o rol de ativos subscritos por Bastos para inflar o capital da RJCP. Conforme tornava a empresa de participações mais robusta, ainda que de forma irreal, mais ações o empresário tinha em mãos para vender no mercado secundário da bolsa de valores. A CVM acusa o dono da companhia de ter embolsado, ao menos, R$ 10 milhões com a artimanha.

Assim, sem nunca ter formalizado uma oferta pública (nem mesmo um IPO), a RJCP atingiu free-float de quase 50%. O caso é apurado no âmbito do PAS RJ 2013/8.880 — que segue em andamento na CVM e tem investigações em curso na Polícia Federal e no Ministério Público. A história foi revelada pela reportagem “Na bolsa para jogar”, publicada na edição de dezembro da CAPITAL ABERTO.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM RJCP CAPITAL ABERTO mercado de capitais Ministério Público Marcelo Bastos Marambaia manipulação de ações Polícia Federal blog da redação processo administrativo Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
23º Congresso APIMEC
Próxima matéria
Relatórios de análise: enfim, CFA se posiciona



1 comentário

Aug 25, 2014

O ideal seria a aprovação do Projeto de Lei 1851/2011, do Deputado Chico Alencar, que impede a aceitação de termos de compromisso para infrações graves. A lógica é que toda a infração grave tem que ser julgada, com caráter educativo para o mercado.



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
23º Congresso APIMEC
O tema escolhido, DESAFIOS PARA O BRASIL RECUPERAR A ATRATIVIDADE E CRESCER COM SUSTENTABILIDADE, pretende discutir tópicos...