Pequenas empresas de Istambul terão apoio para abrir capital

Captação de recursos/Bimestral/Internacional/Temas/Edição 91 / 1 de março de 2011
Por 


Assim como outras bolsas do mundo — a inglesa, a canadense e até mesmo a brasileira —, a Bolsa de Istambul, na Turquia, aposta nas pequenas e médias empresas para aumentar os números de ofertas públicas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês). E ganhou ajuda estatal para isso. A Small and Medium Sized Enterprises Development Organization (Kosgeb) vai oferecer apoio financeiro para que essas companhias se preparem e listem suas ações na Bolsa de Istambul. Atualmente, há cerca de 3 mil pequenas e médias empresas com um papel relevante na economia do país, segundo a Kosgeb, organização criada pelo governo turco para auxiliar o desenvolvimento de empresas desse porte na região.

Apesar de ainda não terem sido divulgados detalhes de como se dará esse suporte financeiro, ele pode seguir padrões parecidos com os do Mercado Alternativo Bursátil (MAB), inaugurado em 2006 pela Bolsa de Madri. As pequenas e médias que querem se listar nesse mercado contam com a ajuda, por exemplo, da Empresa Nacional de Inovação (Enisa). Ela oferece um crédito de até € 1,5 milhão (R$ 3,39 milhões), com vencimento em dois anos, para as empresas pagarem despesas referentes à sua preparação para abertura de capital. Não há taxas de juros ou comissões sobre esse valor.

Além da Kosgeb, apoiam a iniciativa o Capital Markets Board (CMB), regulador do mercado de valores mobiliários da Turquia, e a Association of Capital Market Intermediary Institutions of Turkey (TSPAKB), entidade autorreguladora do mercado de capitais.

Hoje, a Bolsa de Istambul abriga 339 companhias. Desse total, 22 abriram o capital no ano passado. A capitalização de mercado da Bolsa de Istambul, em dezembro de 2010, era de aproximadamente US$ 307 bilhões.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional bolsa de valores Ásia Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Acionistas rejeitam a remuneração de executivos nos EUA
Próxima matéria
Investidores tentam impedir corte no orçamento da SEC



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Acionistas rejeitam a remuneração de executivos nos EUA
Na sua assembleia anual no dia 2 de fevereiro, a construtora norte-americana Beazer Homes teve sua proposta de remuneração...