Low energy

Após MP 579, fundos de dividendos reduziram, alguns pela metade, a participação das elétricas

Legislação e Regulamentação/Edição 118 / 1 de junho de 2013
Por 


Quando a Medida Provisória (MP) 579 foi promulgada, em setembro do ano passado, os fundos de investimento em dividendos se viram diante de um problema. A norma estreitou as margens do setor elétrico, comprometendo as perspectivas de distribuição de lucros das companhias de energia, até então principais integrantes das carteiras desses fundos. Passados quase nove meses desde a edição da MP, as ações das elétricas representam uma fatia bem mais tímida desses portfólios.

Na Apogeo Investimentos, a concentração de elétricas no fundo de dividendos caiu de 50% para 25%. Apesar das reclamações de que a MP 579 pegou o mercado de surpresa, Paulo Bittencourt, diretor técnico da Apogeo, conta que a gestora já suspeitava de que, em algum momento, o governo apresentaria novas determinações de tarifas para a renovação dos contratos. A parcela das elétricas no portfólio de dividendos foi ocupada por ações de empresas do varejo dedicadas à venda de produtos de higiene ou ao consumo de bebidas, como a Ambev. “Mas as elétricas ainda são investimentos recomendáveis, pelo bom fluxo de caixa e pela robustez do negócio”, pondera, justificando a elevada porção da carteira ainda dedicada às ações do segmento.

A Petra Investimentos também diminuiu a exposição do seu fundo de dividendos ao setor elétrico. O percentual ocupado pelas companhias de energia caiu de 40% para 15%, na época da MP, e hoje está em 25%. No lugar, entraram companhias com fluxo de caixa vigoroso, como a Ambev e a Cielo, do setor de cartões. Para João Piccioni, gestor de renda variável do Grupo Petra, a compra de ações de companhias elétricas com contratos de concessão longe do vencimento foi fundamental para a estratégia da carteira. “Foi o caso da Taesa”, conta Piccioni. “Passado o estresse de setembro, a recuperação das elétricas é nítida”, afirma. Desde a MP, as ações das companhias do setor subiram, em média, 3%.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  MP 579 Medida Provisória Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Dividendos conscientes
Próxima matéria
Brasileiras engajadas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Dividendos conscientes
No mês passado, a CAPITAL ABERTO promoveu o workshop "Dividendos tributados: o parecer da Procuradoria da Fazenda e seus...