Longe de problemas

De forma inusitada, Citi desistiu de avaliar ações da Telemar Norte Leste em reestruturação

Bimestral/Legislação e Regulamentação/Edição 99 / 1 de novembro de 2011
Por 


A conturbada reestruturação do Grupo Oi ganhou um ingrediente inesperado no mês passado. O Citigroup, contratado para elaborar o laudo de avaliação que determinaria o valor do reembolso pago aos acionistas da Telemar Norte Leste que viessem a exercer o direito de retirada, desistiu da tarefa. Segundo informações do mercado, o banco elaborou um laudo, mas adicionou uma observação de que não poderia atender ao artigo oitavo da Lei das Sociedades Anônimas. Na prática, a medida representou a inutilidade do laudo. “Nunca vi uma situação como essa”, diz um investidor institucional.

O último parágrafo do artigo oitavo da lei societária trata da responsabilidade dos avaliadores e dos subscritores. Estes, segundo a lei, “responderão perante a companhia, os acionistas e terceiros, pelos danos que lhes causarem por culpa ou dolo na avaliação de bens”. Estaria aí o motivo da decisão do Citi: a remuneração pelo trabalho não compensaria o risco jurídico, ainda mais em uma operação cercada de minoritários insatisfeitos.

Acionista questionando o valor a receber por suas ações em operações de reestruturação não é novidade. A particularidade da Oi seria a sensação de que, nesse caso, a hipótese de a briga de forças entre minoritários e controladores chegar aos órgãos reguladores, sem acordo entre as partes, é mais certa do que duvidosa. Sendo assim, se atestasse o preço do direito de retirada, o Citi estaria embarcando, provavelmente, em processos judiciais. “Acredito que o banco não se sentiu seguro porque os laudos se baseiam em premissas dadas pela companhia. E contestá–las (com o cliente) é complicado”, opina um advogado que acompanha a operação. Procurado pela reportagem, o Citi não comentou os motivos que o teriam levado a desistir do contrato.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Valuation Oi reestruturação societária Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ofertas que dão briga
Próxima matéria
Menos insegurança



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ofertas que dão briga
Os Estados Unidos têm a fama de ser o maior mercado de processos judiciais do mundo. A repercussão pública que algumas...