Delaware autoriza investidor a ver documentos internos de empresa

Legislação e Regulamentação/Internacional/Edição 133 / 1 de setembro de 2014
Por 


delawareUma decisão tomada no fim de julho pela Corte de Delaware dá mais poder ao acionista para fiscalizar a administração. O tribunal autorizou um grupo de investidores institucionais americanos a acessar documentos de uma investigação interna do Walmart, a respeito de subornos pagos a membros do governo no México. A sentença faz parte de um processo maior, que examina a empresa americana por corrupção ativa no país vizinho.

A resolução cria uma jurisprudência com implicações significativas. Segundo o escritório Grant & Eisenhofer, que defende investidores da companhia, abre-se espaço para que acionistas acessem documentos internos das corporações e analisem o processo decisório dos diretores, balançando a estrutura de poder. No caso específico, os sócios do Walmart vão verificar se os executivos faltaram com seu dever de diligência ao investigar alegações de corrupção.

À revista Corporate Secretary, advogados destacaram que a regra cria riscos para os conselheiros. O escrutínio de acionistas pode fazer o board ser responsabilizado por problemas em documentos que nunca recebeu.

Ilustração: Eric Peleias




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração Estados Unidos México CAPITAL ABERTO mercado de capitais Corrupção Walmart Delaware corte de Delaware Grant & Eisenhofer responsabilização de conselheiros Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Finlândia quer fundos de pensão mais transparentes
Próxima matéria
Defesa contra retaliação só vale nos EUA



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Finlândia quer fundos de pensão mais transparentes
Funcionários do alto escalão dos fundos de pensão finlandeses — como diretores, conselheiros, suplentes e auditores...