Separar para quê?

Empresas com CEO e chairman diferentes não exibem desempenho melhor

Governança Corporativa/Internacional / 5 de agosto de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Os códigos de governança corporativa recomendam que as funções de CEO e de presidente do conselho de administração sejam sempre exercidas por pessoas diferentes. A separação, segundo especialistas, é importante para garantir a independência do órgão consultivo. Em termos financeiros, entretanto, a segregação não gera vantagem para os investidores, mostra um estudo do escritório Simpson Thacher & Bartlett LLP, divulgado no fim de julho.

O trabalho analisou os preços das ações e os dividendos pagos por todas as empresas integrantes do índice S&P500 nos últimos 15 anos e descobriu que a performance das companhias que separam os cargos de CEO e chairman e das que combinam as funções é bastante semelhante — estas, inclusive, exibem um desempenho ligeiramente melhor na maior parte do tempo.

Diante disso, a conclusão dos autores do estudo é que, ao menos do ponto de vista econômico, não se pode afirmar que existe uma estrutura de liderança ideal. Cada companhia, com base no seu modelo de negócio, deve decidir se a separação dos cargos de CEO e chairman é necessária e se pode gerar valor para a empresa no longo prazo.

 

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança conselho de administração Internacional Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Desilusão
Próxima matéria
Fonte alternativa para o agronegócio



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Desilusão
Os investidores-anjo brasileiros despencaram das nuvens: uma instrução normativa da Receita Federal, publicada em 21 de julho,...