Modelo híbrido

Dois sistemas de governança coexistem no mundo. O Brasil se equilibra entre eles



GovernançaComparar a governança corporativa de diferentes países não é tarefa fácil. Cada nação, afinal, apresenta suas peculiaridades em termos de contexto histórico, estágio de desenvolvimento do mercado e regulação.

Reconhecidas as diferenças, existem dois grandes modelos de governança no mundo: o “outsider system”, em que os acionistas não fazem parte da administração; e o “insider system”, no qual os chamados acionistas de referência participam da gestão. O primeiro é encontrado nos países anglo-saxões, enquanto o segundo predomina nos demais países, notadamente os da Europa continental.

No outsider system, o financiamento via ações, oriundo de investidores institucionais e individuais, é central para o crescimento das companhias. Como resultado, o mercado de capitais é muito líquido e as empresas em geral possuem estrutura acionária dispersa. O acionista recebe apenas informações e dividendos, sem exercer interferência direta na gestão. Por isso, o sistema depende de um ambiente regulador que assegure transparência e proteção efetiva ao investidor.

As companhias do insider system são controladas pelos acionistas de referência, sócios relevantes que atuam de forma coesa e mantêm posições no longo prazo. Em geral, famílias, instituições financeiras, holdings ou mesmo o Estado. Acompanham de perto a gestão diária e tomam as decisões estratégicas das empresas investidas. O financiamento delas, por sua vez, vem de bancos (privados e públicos) ou de recursos internos, com menor peso dos mercados de capitais. As relações de longo prazo com os stakeholders — sobretudo empregados, fornecedores, instituições financeiras e União — ocupam papel central, o que reduz o foco na criação de valor para o acionista como objetivo da empresa.

O quadro acima mostra as principais diferenças entre as duas estruturas. O Brasil, com sua elevada concentração acionária, naturalmente se aproxima da Europa continental. Por outro lado, a maior orientação de nossas companhias para os acionistas e a presença de institucionais ativos no mercado sinaliza que possuímos elementos do modelo anglo-saxão. Estamos, assim, numa posição relativamente híbrida entre os grandes sistemas de governança do mundo.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  criação de valor Estados Unidos Brasil CAPITAL ABERTO mercado de capitais Reino Unido financiamento sistemas de governança outsider system insider system Europa continental estrutura acionária acionista de relevância stakeholder Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Outros caminhos
Próxima matéria
E a Bolsa parou



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Outros caminhos
No ano passado, Delfim Netto cravou 2014 como o ano da tempestade perfeita para a economia brasileira. Os raios e trovoadas...