Menos estímulo para os CRIs

Gestão de Recursos/Adiante/Edição 127 / 1 de março de 2014
Por 


O ano novo trouxe uma mudança normativa para o segmento de securitização de créditos imobiliários. Na prática, desde janeiro, os financiamentos cedidos a securitizadoras para a emissão de certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) não podem mais ser contabilizados pelos bancos para cumprir a exigibilidade da poupança. De acordo com a resolução número 3.932 do Banco Central — que, em 2010, consolidou as normas sobre o direcionamento dos depósitos na poupança —, 65% dos recursos captados com a caderneta devem ser usados na concessão de crédito para o setor. “Quando uma instituição financeira vende créditos imobiliários para uma securitizadora, ela reduz o volume de financiamentos imobiliários que possui em sua carteira”, explica Onivaldo Scalco, diretor-presidente da gestora Cibrasec. Porém, uma previsão na resolução de 2010 permitia que, mesmo cedendo esses créditos, os bancos continuassem a computá-los como se fossem seus nos demonstrativos de cumprimento da exigibilidade. Esse benefício, no entanto, era temporário e, agora, acabou.

Para o mercado, ainda não estão claras as possíveis consequências do fim do estímulo. “Os bancos deixaram de ter um incentivo para a cessão de créditos imobiliários. Mas, se o mercado de CRIs tiver aproveitado esses anos para realmente ganhar musculatura, os efeitos podem ser pequenos”, avalia Alexandre Assolini, sócio do PMKA Advogados. Em 2013, a emissão de certificados foi recorde, atingindo R$ 16,6 bilhões, segundo dados da Uqbar. Para Scalco, da Cibrasec, a regra que vigorou até o fim de 2013 não foi o que trouxe os efeitos mais relevantes para o mercado de securitização. “Salvo operações pontuais, não houve um grande crescimento no volume de securitizações de carteiras de créditos imobiliários provenientes de bancos”, afirma.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Securitização Banco Central CAPITAL ABERTO mercado de capitais CRI poupança Bancos exigibilidade Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
No lugar certo (Dufry)
Próxima matéria
Virada no mercado imobiliário afeta fundos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
No lugar certo (Dufry)
Ninguém sabe ainda quem ganhará a Copa do Mundo do Brasil. Já se sabe, contudo, que a Dufry vai ganhar dinheiro com o evento...