Fundos zumbis de PE acumulam US$ 116 bilhões



Os zumbis deixaram de ser apenas personagens de ficção pós-apocalíptica e chegaram ao universo concreto dos fundos de private equity (PE). A consultoria Preqin, especializada nessa indústria, realizou uma pesquisa e descobriu que existem cerca de 1.200 fundos zumbis no mundo, gerenciando um total de US$ 116 bilhões em ativos. A Preqin dá esse nome a veículos em que os gestores estão “sentados” nos ativos além do tempo originalmente esperado, sem planos de realizar lucros ou captar mais recursos para as companhias investidas.

Foram considerados zumbis, pela metodologia da pesquisa, os fundos que fizeram seus primeiros investimentos entre 2001 e 2006 e, desde então, não levantaram mais recursos. Esses veículos também se caracterizam por proporcionar retornos menores aos investidores: 50% dos fundos zumbis que iniciaram aquisições em 2003 retornaram a seus clientes menos de 39% do capital investido, ao passo que a mediana dos fundos tradicionais de capital de risco é 99%. Segundo a Preqin, há 1.732 companhias no portfólio desses produtos, que ainda podem ser interessantes para outros veículos de private equity.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidor pagará por fracassos de bancos japoneses
Próxima matéria
Nos EUA, 70% dos investidores pessoas físicas não votam



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidor pagará por fracassos de bancos japoneses
No mundo todo existe uma pressão para que o governo não tenha de socorrer, com dinheiro público, cada banco "grande demais...