BC fortalece fiscalização da conduta dos participantes

Gestão de Recursos/Edição 114 / 1 de fevereiro de 2013
Por 


O Banco Central (BC) decidiu aprofundar a fiscalização da conduta dos participantes do mercado, criando um departamento exclusivamente voltado a essa tarefa. O objetivo é ter uma atuação mais preventiva e menos reativa sobre as irregularidades do mercado financeiro. O anúncio foi feito em dezembro pelo presidente Alexandre Tombini. A iniciativa vem na esteira de dois casos recentes envolvendo falhas de conduta de administradores: o do Cruzeiro do Sul e o do banco BVA.

A ênfase sobre a vigília de conduta é uma tendência mundo afora. Em países como Austrália, Holanda, Canadá, Portugal e Espanha, vigora o sistema chamado “twin peaks”, em que a supervisão dos mercados financeiro e de capitais é dividida em duas frentes: um regulador zela pela liquidez e pelo controle dos riscos sistêmicos de todos os participantes; e o outro vigia somente a conduta desses agentes. No Brasil, essa divisão é feita de outra forma — o BC cuida do sistema financeiro de forma ampla, e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), do mercado de capitais —, mas a iniciativa recente do BC é um sinal de que um enfoque sobre a conduta do mercado é necessário. “Queremos fazer esse acompanhamento preventivo de forma mais sistemática a partir de agora”, observa Anthero Meirelles, diretor de fiscalização do BC.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Banco Central Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
RJCP atinge 45% de free float sem oferta; Bolsa estuda exigências
Próxima matéria
BNDES e CVM planejam endowment para projetos sociais



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
RJCP atinge 45% de free float sem oferta; Bolsa estuda exigências
Companhia aberta e listada no segmento tradicional da BM&FBovespa desde julho de 2011, a gestora de venture capital RJCP...