Avanço da onda ESG esbarra em escravidão moderna 

Aberdeen Standard, Schroders e Fidelity International se unem a outros 53 investidores para exigir mais transparência da supply chain de construtoras 



Avanço da onda ESG esbarra em escravidão moderna

Imagem: freepik

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), braço da Organização das Nações Unidas (ONU), estima que no mundo existem cerca de 40 milhões de pessoas submetidas a regimes de escravidão moderna. Ainda que antiga (e inaceitável)a questão tem conquistado espaço na agenda global com a influência da onda ESG (fatores ambientais, sociais e de governançasobre as políticas de mitigação de riscos de empresas. Enquanto nações desenvolvidas como Canadá, Austrália, Reino Unido e Estados Unidos avançam no ambiente regulatório, gestores e investidores continuam a se deparar com relatórios insuficientes sobre o tema, tendo que buscar outras vias para mobilizar o mercado. 

Na última semana, alguns dos mais importantes investidores britânicos jogaram luz sobre a questão. Um grupo de 56 investidores, com 7 trilhões de libras em ativos sob gestão, está exigindo que empresas do setor de construção listadas no Reino Unido verifiquem a existência de casos de trabalho análogo a escravidão em suas cadeias de fornecimento. De acordo com KnowTheChain, grupo que classifica empresas de acordo com as condições de trabalho identificadas na cadeia de fornecedores, a construção é o segundo setor de maior risco nesse aspecto, ficando atrás apenas do setor de hotelaria. 

A iniciativa, que conta com nomes de peso como Aberdeen Standard InvestmentsSchroders e Fidelity International, vem na sequência da campanha “Find It, Fix It, Prevent It”, lançada em 2019. Inicialmente, a campanha se restringia à indústria hoteleira, visando empresas como IHG, CarnivalCompass GroupWhitbread e JD Wetherspoon. O grupo de investidores cita o InterContinental Hotels Group (IHC) como um case de sucesso — durante a campanha, a empresa não só identificou situações de trabalho forçado em suas filiais de Omã, como criou um plano para gerenciar e combater essa violação de direitos humanos. 

Covid-19, compromisso e avanço regulatório 

O último ano foi particularmente delicado no que tange à escravidão moderna. Ao passo que a crise econômica mundial causada pela pandemia empurrou pessoas para situações de vulnerabilidade, as medidas de restrição à circulação dificultaram a tarefa de monitoramento das cadeias de fornecedores. 

Neste mês, a Workforce Disclosure Initiative, grupo apoiado por investidores com 7,5 trilhões de dólares em ativos, verificou que 94% de 141 empresas globais se comprometeram a eliminar a escravidão moderna de suas cadeias de abastecimento, mas dez das companhias examinadas nem ao menos conseguiram fornecer uma descrição de suas supply chains 

A questão, entretanto, continua a avançar no ambiente regulatório, principalmente de países desenvolvidos. Em julho de 2020, por exemplo, foi assinado um acordo entre Estados Unidos, México e Canadá que estabelece um compromisso de cooperação na identificação e rastreio de mercadorias produzidas por meio de trabalho forçado e de adoção de leis para erradicar a escravidão moderna nesses países. 

 

Leia também

CEOs como influenciadores digitais

Mercados de carbono ressurge no Brasil

Geração Z desafia lógica do mercado financeiro


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  ESG Escravidão moderna Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Assembleias digitais: notas sobre a temporada de AGOs de 2021 
Próxima matéria
O debate ainda por vir do voto negativo nas eleições de conselheiros



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Assembleias digitais: notas sobre a temporada de AGOs de 2021 
Talvez ainda seja cedo para se ter uma noção mais exata sobre os impactos que a pandemia de covid-19, que desde...