Estrangeiros reduzem participação nas ofertas de ações

Captação de recursos/Bimestral/Temas/Edição 88 / 1 de dezembro de 2010
Por 


Pela primeira vez desde 2004, quando as ofertas de ações foram retomadas, a participação dos investidores estrangeiros nessas operações ficou abaixo do patamar histórico. No acumulado do ano, consideradas as ofertas iniciais (IPOs, na sigla em inglês) e as subsequentes (follow-ons), a presença internacional média foi de 56%, ante quase 70% em 2006.

Duas ofertas pesaram nessa conta: a capitalização da Petrobras, que obteve 20% de adesão estrangeira, e o IPO da Renova Energia, em que 98% das ações foram distribuídas localmente. O caso da Renova é considerado excepcional. Diante de uma operação que saiu menor do que o planejado devido às condições de mercado, os ofertantes privilegiaram investidores mais próximos da companhia.

Segundo Roberto Barbuti, diretor de renda variável do Santander, o fim da euforia com as ofertas brasileiras — “quando qualquer operação tinha aceitação” — incentivou a participação de investidores locais. Até então, os gestores brasileiros ficavam de fora das ofertas, sobretudo dos IPOs, porque consideravam os preços elevados. As companhias emissoras também passaram a valorizar mais o investidor nacional. Na crise financeira, as que estavam concentradas nas mãos de estrangeiros registraram forte desvalorização devido à fuga de recursos.

O aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) também pode ter impactado a participação dos estrangeiros. “O que afastou o investidor foi o receio do que poderia vir após uma medida como essa, não necessariamente o seu custo”, observa Antonio Castro, presidente da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca). Em outubro do ano passado, o Fisco onerou em 2% os investimentos diretos vindos do exterior como forma de conter a valorização do real.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  captações externas Investidores estrangeiros Guia de Captações de Recursos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
BDRs patrocinados começam a sumir do mapa
Próxima matéria
Novos players acirram concorrência entre formadores de mercado



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
BDRs patrocinados começam a sumir do mapa
Enquanto os Brazilian depositary receipts (BDRs) não patrocinados de ícones como Apple, Google e Wal Mart iniciam negócios...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}