Minoritários reclamam de operação incomum entre Smiles e Gol

Na visão deles, compra antecipada de passagens favorece controladora em detrimento da empresa de fidelidade e de seus outros acionistas

Companhias abertas/Reportagens / 10 de julho de 2020
Por 


Minoritários se queixam de operação incomum entre Smiles e Gol

Imagem: pch.vector/ Freepik

Smilesuma das maiores gestoras de programa de fidelidade do Paísestá no centro do que promete ser um ruidoso embate com acionistas minoritários, episódio desencadeado por operações pouco triviais vinculadas à sua controladora Gol. Na segunda-feira 6 de julho, um grupo de minoritários enviou um documento às empresas e à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) queixando-se do fato de a Smiles, em março passado, ter destinado um total de 425 milhões de reais para a compra de passagens antecipadas para voos da Gol — empresa que, como seus pares do setor aéreo, foi fortemente atingida pela súbita e brusca retração da demanda diante da pandemia de covid-19O curioso é que, pouco depois do despacho da reclamação, a administração da Smiles confirmou outra operação da mesma espécie. Só que equivalente ao triplo da primeira.  

A notícia foi indigestaNo novo comunicado, a Smiles afirmou ter adquirido mais 1,2 bilhão de reais em créditos para compra de passagens aéreas. “A companhia tinha 1,4 bilhão de reais em caixa, e agora ficou com apenas 200 milhões de reais. É uma clara tentativa de esvaziamento do caixa da controlada para o socorro à controladora”, atesta Márcio Louzada Carpena, sócio do escritório Carpena Advogados e representante dos fundos de investimento Samba Theta, CSHG Suprassumo e Centauro I, que juntos detêm 4,02% do capital social da empresa de programa de fidelidade. “Não cabe à Smiles sustentar a Gol. Neste momento de dificuldade para as companhias aéreas, a controladora deveria buscar crédito no BNDES e junto a seus acionistas majoritários”, defende.  

Impactos da pandemia 

Não está em questão a relativização da dura situação das companhias aéreas durante a pandemia — a crise aguda é um fato incontestável. Não à toa, a gigante Latam Brasilno último dia 9 de julho, entrou com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos. A filial brasileira foi incluída no processo aberto em meio pelo grupo Latamno qual já estavam a holding chilena e as afiliadas de Peru, Colômbia, Equador e EUA. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o presidente da empresa, Jerome Cadier, citou a demora nas negociações com o banco oficial de fomento e ainda fraca demanda como os motivos principais para a recuperação judicial. 

A ajuda do BNDES, citada tanto por Carpena quanto por Cadier, está sendo costurada há pelo menos três meses com Gol, Azul e Latam, e envolve o repasse de 2 bilhões de reais para cada uma das empresas. O BNDES entraria com 60% do montante, outros 10% viriam de bancos privados e o restante sairia do bolso de investidores via mercado de capitais, por meio da emissão de debêntures e bônus. Ocorre que já se especula, segundo informações da agência Reuters, que a inclinação do BNDES é de emprestar bem menos — e uma das justificativas seria exatamente a possibilidade de as empresas recorrerem a outras fontes de recursos menos ortodoxas, como o “financiamento” obtido pela Gol com sua controlada Smiles. 

No documento em que anunciou a operação desta semana, a companhia de programa de fidelidade defendeu a necessidade de fortalecimento de sua “principal parceira comercial e operacional”, com a qual alega ter uma “interdependência intensa”. Os minoritários, no entanto, questionam a força desse vínculo. Para isso, usam como exemplo o histórico da própria Smiles. Criada em 1994 como programa de relacionamento da antiga Varig, a Smiles sobreviveu à falência da progenitora em 2006 e foi posteriormente comprada pela Gol, por 660 milhões de reais. “As operações estão sim interligadas, mas a Smiles é perfeitamente capaz de sobreviver se a Gol quebrar, assim como já aconteceu no caso da Varig”, afirma Carpena. 

A controladora, por outro lado, não parece ser tão independente de sua controlada. O dinheiro da Smiles é parte essencial do plano da Gol para se recuperar do prejuízo de 2,26 bilhões de reais que apurou no primeiro trimestre de 2020. A companhia chegou a ensaiar uma tímida recuperação, com aumento de 63% nas vendas brutas consolidadas em junho em comparação ao mês anterior. Mas o cenário continua muito instável. Prova disso é o fato de própria Gol projetar um prejuízo de 3,20 reais por ação no segundo trimestre deste ano.  

Controladora afunda controlada? 

Smiles, vale lembrar, também sofreu com a pandemia. O lucro líquido da empresa foi de 56,3 milhões de reais no primeiro trimestre deste ano, montante 60,3% inferior ao registrado em igual período de 2019. As ações também estão apanhando: já acumulam perdas de 40% no acumulado de 2020 até o fechamento desta matéria. Segundo um advogado ouvido pela CAPITAL ABERTO que preferiu não se identificar, o preço sofre um alto desconto por causa de reiteradas interferências do controlador. “Diferentemente de outras empresas, a Smiles ainda não voltou ao preço pré-pandemia. E dificilmente deve retornar enquanto mantiver uma relação tóxica com a Gol”, avalia. 

O vínculo entre as empresas começou a se esgarçar em 2018, quando a companhia aérea decidiu não renovar a parceria com a Smiles e anunciou que pretendia incorporar a controlada. O plano foi criticado por acionistas da Smiles, que viam no anúncio uma estratégia deliberada da Gol para enfraquecer as ações da empresa e, assim, incorporá-la por um preço melhor. O plano chegou a ser cancelado, mas retornou no ano passado sob nova roupagem e chegou a caminhar no início de 2020 antes de acabar enterrado de vez pela pandemia — afinal, a Gol ficou sem recursos para comprar as ações da Smiles 

Outra questão citada como fonte de insatisfação dos minoritários é a distribuição de dividendos. Se quisesse, a Smiles poderia redistribuir 100% do lucro para seus sócios, operação que, por si só, já ajudaria a aliviar a situação da Gol — sendo a maior acionista seria também a mais beneficiada. A empresa, no entanto, deixou todo o lucro em caixa para que fosse emprestado à controladora por meio das operações de compra de passagens, o que só fez esvaziar seus próprios ganhos.   

Os minoritários já convocaram uma assembleia geral extraordinária para tentar afastar a diretoria da Smiles. Pretendem, ainda, entrar com ações na Justiça e na CVM para derrubar o que caracterizam como “ilegal ato de esvaziamento de caixa”. Caso a operação se mantenha, a Gol conseguirá, por hora, afastar os fantasmas de recuperação judicial e de eventual falência. Já a Smiles continuará com seu destino atrelado ao da controladora — para o bem ou para o mal.   


Leia também

IRB tenta juntar os cacos após irregularidades

Localiza emite opinião em boletim de voto a distância e gera controvérsia

Crédito via venture debt ganha força no Brasil



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Gol ​governança corporativa Smiles Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Crédito via venture debt ganha força no Brasil
Próxima matéria
Assembleias digitais: impressões iniciais sobre a temporada de AGOS de 2020



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Crédito via venture debt ganha força no Brasil
Uma startup é, por definição, uma empresa jovem, mas com alto potencial de crescimento. Para atingir as metas de...