Colapso em setembro

Bimestral/Relações com Investidores/Temas/Edição 85 / 1 de setembro de 2010
Por 


A primavera se anunciava em setembro de 1864, no Rio de Janeiro. Ainda não existia a semana inglesa, e os sábados eram dias úteis, de expediente integral. Na manhã do dia 10, um sábado, iniciava-se a maior crise financeira já ocorrida no Brasil. A Casa Bancária A. J. Alves Souto & Cia., instituição mais importante na época, secundando o Banco do Brasil, não abriu suas portas e suspendeu os pagamentos.

A notícia teve o impacto de um tsunami e detonou corrida bancária jamais vista. O tumulto no centro da cidade perdurou pelas semanas seguintes. Só foi controlado com a presença de tropas enviadas pelo Governo Imperial que, por sua vez, também decretou moratória geral por 60 dias.

Os números daquela falência são espantosos. A casa tinha cerca de 10 mil clientes, correspondentes a aproximadamente 5% da população do Rio de Janeiro, estimada em 200 mil habitantes naquele ano. O passivo foi calculado em 6,35 milhões de libras esterlinas, equivalentes à metade da dívida pública interna.

O pânico levou de roldão algumas casas bancárias de importância e mais uma centena de estabelecimentos comerciais, em autêntico efeito dominó. O próprio Banco do Brasil se viu abalado, pois, na tentativa de evitar a catástrofe, havia socorrido a casa Souto em volumes superiores a 50% de seu patrimônio líquido.

Aqui, cabe também uma palavra sobre o personagem central daquele episódio: Antônio José Alves Souto. Era homem de grande projeção no mercado do Rio de Janeiro. Corretor de Bolsa, foi signatário da criação da Junta de Corretores, em 1850, documento inicial do longo processo de separação entre a Bolsa do Rio e a Associação Comercial, que a abrigava desde 1820. Amigo e vizinho de D. Pedro II, na Quinta da Boa Vista, costumava se reunir com o Imperador para disputar partidas de xadrez. O Rei de Portugal, país onde nascera, o nomeou Visconde de Souto. Sua opulência era marcada por um jardim zoológico particular, instalado na chácara em que residia e aberto ao público nos fins de semana.

Como sempre após as crises, fizeram-se inquéritos e investigações, mas nada foi levantado de desabonador ao Visconde de Souto. Sem o patrimônio que acumulara, então vendido para o pagamento de dívidas, mas com a reputação preservada, ele faleceu em 1880.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bate-papo com empreendedores
Próxima matéria
Não por acaso



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Bate-papo com empreendedores
Mike Lazaridis era um jovem viciado em tecnologia que fazia desde a montagem de hardware caseiro até o desenvolvimento de protocolos...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}