Um Chicago boy na Fazenda?

14/1/15

Captação de recursos/N@ Web / 14 de janeiro de 2015
Por 


print1O novo ministro da economia, Joaquim Levy, participou de uma conversa com usuários do Facebook no último dia 9 de janeiro. Por meio da página do governo Portal Brasil, ele respondeu a perguntas (devidamente moderadas) de várias pessoas. Foram quase 500 comentários com perguntas para Levy. Ele, evidentemente, não conseguiu responder todas.

Muitas delas tinham preocupações bastante atuais e pertinentes dos brasileiros: será que o ministro vai aumentar os impostos? E o seguro-desemprego, como fica? Uma das mais questões mais curtidas, entretanto, não dizia respeito ao futuro do país, e sim às posições econômicas e ideológicas de Levy. “Você se considera um Chicago boy?”, perguntou um usuário.

Ele se referia ao apelido dado aos economistas que seguem os preceitos da escola de Chicago, vertente liberal e monetarista cujo maior expoente foi Milton Friedman. Levy disse que a pergunta era “divertida” e se dedicou a explicar para leigos o conceito e a não responder diretamente se se considerava um Chicago boy ou não. Um trecho de sua resposta, entretanto, deixa claro sua simpatia pela linha de pensamento:

“Essa universidade tinha um professor que dizia uma frase que ficou muito conhecida — e que a gente sabe que tem seu grão de verdade: “Ninguém come realmente de graça”. Sabe-se que quando alguém passeia ou faz alguma coisa sem pagar, outra pessoa está pagando. Então, essa frase é importante para quem está no governo. Tudo o que o governo dá é pago pelo contribuinte. Então, a gente tem que ter muito cuidado em como usa o dinheiro, para garantir que as pessoas certas, às quais a lei dá o direito, sejam as que receberão os benefícios de que precisam”, respondeu.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Joaquim Levy Universidade de Chicago economia Milton Friedman Chicago boy Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nos boards para quê?
Próxima matéria
Não há atalhos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nos boards para quê?
Os conselheiros eleitos por funcionários são uma novidade da última década. Participantes dos boards graças à Lei 12.353,...