Petrobras migra listagem para o Nível 2 da B3

Os principais acontecimentos para o mercado de capitais entre 14 e 18 de maio

Semana/Bolsas e conjuntura / 18 de maio de 2018
Por 


Ilustração: Julia Padula

Desde o dia 14, as ações da Petrobras são negociadas no Nível 2 da B3, que exige o atendimento de regras de governança diferenciadas e o aprimoramento da qualidade das informações prestadas pela companhia. Com a mudança, a Petrobras passa a contar com regras novas para oferta pública de aquisição de ações; a divulgar calendário anual de eventos societários; a garantir a concessão de 100% de tag along para ações preferenciais, nas mesmas condições concedidas às ações ordinárias; e a prever procedimento arbitral para resolução de conflitos societários. A companhia também ampliou as atribuições de seu Comitê de Minoritários, que passará a assessorar previamente os acionistas em situações consideradas críticas, como a aprovação de fusões e incorporações e contratos entre o controlador e a companhia, sempre que essas decisões estiverem sujeitas à aprovação na assembleia de acionistas.

15.05

– Bunge protocola pedido de registro de companhia aberta na CVM para a sua subsidiária Bunge Açúcar & Bionergia, que reúne oito usinas instaladas no País, com capacidade de moagem de 22 milhões de toneladas de cana por safra. O valor de mercado da empresa é estimado em 6 bilhões de reais.

– Corretora Gradual, citada na Operação Encilhamento da Polícia Federal, anuncia o encerramento de suas atividades na B3. A empresa tem 7 bilhões de reais em custódia e cerca de 60 mil clientes. Eles podem transferir a custódia de seus investimentos preenchendo um formulário no site da corretora.

16.05

– Lucro das 290 companhias de capital aberto no Brasil soma 50,82 bilhões de reais no primeiro trimestre deste ano, aumento de 7,43% em comparação com o mesmo período do ano passado, conforme levantamento da Economatica.

– Eletrobras registra lucro líquido de 31,8 milhões no primeiro trimestre de 2018, resultado 97,7% inferior ao obtido no mesmo período do ano passado, quando esse número atingiu 1,3 bilhão de reais.

– Copom mantém Selic em 6,5% ao ano, encerrando ciclo de 12 quedas consecutivas da taxa.

17.05

– Em recuperação judicial, Oi fixa para seus quatro diretores estatutários remuneração total de 74,6 milhões de reais neste ano. O montante supera o pagamento da Telefônica Vivo para seus diretores (24,6 milhões) e da TIM (35,7 milhões).

– BNDES publica edital para contratação de serviços destinados à estruturação e definição do modelo de desestatização da Eletrobras. Segundo o banco, o objetivo da contratação é a proposição do modelo de aumento de capital da Eletrobras.

– B3 divulga novas orientações para leilão de oferta pública de aquisição de ações (OPA) da Eletropaulo. Enel e Neoenergia, interessadas em adquirir o controle da companhia, poderão apresentar uma única proposta no dia 24 de maio. O leilão ocorrerá no dia 4 de junho.

– Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), operações de fusões e aquisições no Brasil movimentaram 52,3 bilhões de reais entre janeiro e março deste ano. O valor é 120% superior ao registrado no mesmo período de 2017.

18.05

– Ministério Público Federal (MPF) e representantes da Hypera (antiga Hypermarcas) negociam acordo de leniência. A companhia confessou pagamento de propina a políticos em troca de benefícios. De acordo com reportagem publicada no Valor Econômico, o MPF estipulou o valor da multa em cerca 2 bilhões de reais.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Um caminho para a leniência
Próxima matéria
ISS ou ICMS: Qual tributo se aplica às novas tecnologias?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Um caminho para a leniência
A possibilidade de celebração de acordos de leniência[1] pelo Banco Central (BC) e pela Comissão de Valores Mobiliários...