Quase metade dos fundos europeus serão ESG até 2025, afirma PwC

Abordagem sustentável pode atingir entre 40% e 60% do mercado de fundos do velho continente



Imagem de gráfico mostra crescimento em investimentos

A fatia de fundos ESG deve dominar algo entre 5,5 trilhões de euros e 5,6 trilhões de euros nos próximos cinco anos | Ilustração: stories/ Freepik

Em 2025, completam-se 20 anos da criação do termo ESG, sigla que simboliza a prioridade dada a aspectos ambientais, sociais e de governança nos mercados financeiro e de capitais. Ao longo dessa trajetória, as três letras gradualmente deixam o status de tendência para se firmar com uma revolução no mundo dos investimentos, a começar pela Europa. Segundo pesquisa da consultoria e auditoria PwC, até 2025 a onda sustentável pode guiar quase 60% dos fundos de investimento europeus.

A PwC estima que, ao longo dos próximos cinco anos, a fatia de fundos ESG deve dominar algo entre 5,5 trilhões de euros e 5,6 trilhões de euros, valor que representa entre 41% e 57% do mercado de fundos mútuos do continente. Mesmo no cenário mais conservador, a consultoria afirma que a ótica ESG está prestes a se tornar a abordagem padrão para os gestores de fundos europeus. Ao final de 2019, o setor ESG contava com uma representatividade de 15,1% na indústria de fundos, valor que deve crescer a uma taxa de 28,8% ao ano.

Por que a Europa?

Atualmente, a Europa já domina o mercado global de fundos de investimento ESG, oferecendo 4.741 produtos — que, juntos, representam 70% dos ativos globais associados à sigla. Segundo a PwC, a proliferação desses fundos no velho continente se justifica por uma combinação de fatores que envolve mudanças sociais, pressão dos reguladores e demanda de investidores. “À medida que os formuladores de políticas europeias impõem regulamentações decisivas e abrangentes, o ESG também continua a apresentar desempenho superior [aos demais produtos] e a demanda dos investidores cresce”, afirma o relatório.

A pesquisa mostra que o maior impulso vem dos investidores institucionais, que reagem ao aumento da pressão dos formuladores de políticas públicas e se mostram cada vez mais adeptos à sustentabilidade. Um dos exemplos é o European Green Deal, aprovado ao final de 2019. O acordo apresenta uma série de ações para incentivar o investimento sustentável, incluindo facilitar para os investidores a identificação de produtos e ativos verdes e garantir a sua credibilidade. Entre as iniciativas, foi criado um guia padronizado para investimentos em green bonds, o EU Green Bond Standard (GBS).


Leia outros conteúdos sobre Sustentabilidade aqui

Na outra ponta da cadeia, os investidores institucionais também experimentam uma pressão crescente de seus clientes para incorporar padrões ESG em suas ofertas de fundos, tanto por uma mudança cultural quanto por razões puramente financeiras. Isso porque a crença amplamente difundida no mercado de que a sustentabilidade exigiria um sacrifício de retornos está caindo por terra. A rentabilidade do viés sustentável vinha se confirmando ao longo dos últimos anos, e foi validada também pela pandemia de covid-19. Análise feita pela Bloomberg revela que a média de retorno dos fundo ESG diminuiu 12,2% com a crise em 2020, menos da metade do declínio do S&P 500, um dos mais importantes índices da bolsa americana.

Contradição entre os fundos ESG

Algumas arestas, no entanto, ainda precisam ser aparadas. A pesquisa conduzida pela PwC mostra um descompasso no discurso dos gestores de recursos. Entre os entrevistados, 37% estão dispostos a pagar um prêmio por produtos ESG e 77% planejam parar de investir em ativos não compatíveis com esses critérios já nos próximos dois anos. Por outro lado, apenas 14% desses gestores já planejam deixar de lançar produtos próprios que não sigam os padrões ESG durante o mesmo período. O relatório da consultoria também afirma que, apesar dos avanços, a agenda ESG precisa ser implementada ainda mais rapidamente para que a Europa aproveite o que o relatório classifica de “oportunidade do século”.

O estudo foi feito com base nas respostas de 200 gestores de ativos, 300 investidores e cerca de 800 investidores de varejo.


Leia também

As lições do Greenpeace para o investimento ESG

Esforço conjunto para uma reforma tributária sustentável

Indústria de private equity vê em ESG uma vantagem competitiva



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  sustentabilidade investidores institucionais ESG fundos ESG Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Taxa de desconto, o toque de arte em valuation
Próxima matéria
Hora de traçar planos e cenários de retorno aos escritórios



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Taxa de desconto, o toque de arte em valuation
Quando você abre a carteira e saca uma nota de dez reais, tende a achar que a quantia não tem custo algum — o valor,...