O papel do regulador na relação entre preparador-auditor e usuário

8/10/2014

Sem categoria / 8 de outubro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Em vários trabalhos acadêmicos, em eventos públicos e nas mais diversas discussões sobre o problema dos excessos de notas explicativas nas demonstrações contábeis, um problema parece se repetir.

Ele ficou mais claro na recentíssima dissertação de mestrado da sócia da PwC Estela Maris Vieira de Souza, pela FEA-USP: a pesquisa atribuiu ao regulador um papel de fantasma assustador nesses exageros explicativos que comumente pouco de fato explicam. Por quê?

Dizem os preparadores que ficam com receio de o regulador determinar a republicação de seus balanços, caso deixem de colocar nota sobre isso ou aquilo. Os auditores dão a mesma resposta.

E daí acontece algo estranho. O único objetivo das demonstrações contábeis é levar informações ao usuário. Mas ele não é tão lembrado quanto deveria tanto pelo preparador como pelo auditor. De acordo com pesquisas, o preparador e o auditor estão mais preocupados é com o órgão regulador. Colocando informações em abundância, pensam reduzir as chances de levar puxões de orelhas desse órgão! E… coitado do usuário. Fica a ver navios.

Nesse afã de evitar problemas, o conteúdo desmedido leva os usuários a, às vezes, desistir de ler as notas. Ou, então, o exagero comumente ajuda a desviar a atenção do usuário das informações efetivamente relevantes (dizem alguns que há até preparador que fica feliz com isso; será mesmo verdade?).

Algo não está certo nesses olhares.

Será que não deveria o regulador tomar um papel mais ativo nesse ciclo nada virtuoso e formalizar a exigência de que preparador e auditor devem olhar para o usuário, e somente para ele? Não deveriam fornecer apenas e unicamente o conteúdo que seja relevante e o ajude a tomar decisões?

Isso é, aparentemente, o que deverá ocorrer se for aprovada a orientação do CPC que esteve em audiência pública. Deverá deixar de ser publicada a informação “com a qual ou sem a qual o mundo gira tal e qual”, ou seja, o tópico irrelevante, que não ajuda o usuário a se decidir por dar ou não dar o crédito, por investir, desinvestir ou manter posição etc.

É de se esperar que o regulador deixe de exigir qualquer tipo de informação irrelevante não publicada só porque a norma fala dela. Afinal, não raro preparadores e auditores também reclamam desse posicionamento.

Assim, esperemos pela aprovação de um documento que ajude preparador, auditor e também regulador a mudar de posição e a privilegiar o único que faz sentido para a existência da divulgação das demonstrações contábeis: o rei usuário.

Que lhe sejam divulgados todos os dados relevantes, e unicamente eles.

Que nossas discussões se centrem no aperfeiçoamento da escolha do que seja informação relevante, e não mais no atendimento cego a todas aquelas mencionadas nas normas, mesmo quando irrelevantes.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais PwC CPC regulador auditor excesso Estela Maris Vieira de Souza FEA-USP informação relevante preparador Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Depois de período de queda, captações com ADRs voltam a crescer
Próxima matéria
Dividendos da Sabesp viram tema de campanha eleitoral




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Depois de período de queda, captações com ADRs voltam a crescer
Pouca gente lembra, mas quando o Alibaba captou estupefacientes US$ 25 bilhões em seu IPO, em setembro, não estava vendendo...