Investidores estrangeiros têm aval para exigir ressarcimento contra a Petrobras

Companhias abertas/Seletas/Edição 144 / 1 de agosto de 2015
Por 


investidores-estrangeirosO envolvimento de funcionários da Petrobras no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, renderá à companhia uma série de ações de ressarcimento movidas por sócios minoritários estrangeiros. O estatuto da companhia elege a arbitragem como fórum para a resolução de conflitos, o que levou a dúvidas sobre se esses acionistas poderiam recorrer ao Poder Judiciário para pleitear indenizações. No mês passado, Jed Rakoff, juiz da Corte Federal de Nova York responsável pela ação movida pelos investidores estrangeiros, deu a resposta: a cláusula arbitral não pode ser aplicada nos Estados Unidos.

Para Rakoff, os investidores americanos estão sob a proteção do Securities Act, arcabouço que não prevê resolução de conflitos por meio de arbitragem. Os fundamentos da decisão do juiz, no entanto, só serão divulgados dentro de alguns meses. Com a decisão, Rakoff abriu caminho para a Petrobras ser alvo de uma ação de classe (class action) que poderá render uma robusta indenização para os investidores estrangeiros e um rombo no caixa da empresa. No Brasil, o caminho a ser seguido pelos acionistas ainda é incerto.

Consultada, a Associação Nacional de Proteção aos Acionistas Minoritários (ANA) confirma que vai entrar como uma ação civil pública contra a Petrobras. Paralelamente, impetrará uma ação de inconstitucionalidade do artigo 136-A da Lei 6.404. O dispositivo foi alterado pela nova Lei de Arbitragem e criou uma situação incômoda: investidores de companhias que preveem o uso do fórum privado para a resolução de conflitos societários abrem mão do Poder Judiciário. Para a ANA, o acesso à Justiça é garantido constitucionalmente no Brasil e não pode ser suprimido por uma cláusula estatutária.

Ilustração: Grau 180.com.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais arbitragem class action investidores Minoritários Operação Lava Jato ressarcimento Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ministério Público denuncia controladores da Laep
Próxima matéria
MCTI promete mais clareza para Lei do Bem



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ministério Público denuncia controladores da Laep
No começo de julho, o Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) denunciou Marcus Alberto Elias e outros três...