Inadimplência no varejo deve ficar em torno 5,80%, preveem FIA e Ibevar
Taxa é semelhante à apurada em outubro, mas atrasos de pagamentos devem aumentar
Inadimplência no varejo, Inadimplência no varejo deve ficar em torno 5,80%, preveem FIA e Ibevar, Capital Aberto

A inadimplência de pessoas físicas no varejo em janeiro deve ficar entre 5,44% e 6,19%, com média estimada em 5,82%, segundo projeção do Ibevar (Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo) e FIA Business School. Se confirmada, a taxa ficará próxima ao nível real registrado em outubro, de 5,91%. Já os atrasos nos pagamentos devem crescer. Se computadas as dívidas com atraso superior a 90 dias, a estimativa é de média de 5,82%, com variação entre 5,44% 5,82% – mais que os 4,28% de outubro.

O presidente do Ibevar e professor da FIA Business School, Claudio Felisoni, falou a Capital Aberto sobre suas perspectivas da inadimplência para o varejo.

Quais as perspectivas para a inadimplência em 2024?

Em que pese o fato de que se espera para janeiro um aumento devido à elevação detectada dos atrasos de pagamentos, pode-se dizer, em princípio, que a situação da inadimplência em 2024 deve ser melhor que a registrada em 2023. Isso é explicado por dois fatores separados mas conectados. O primeiro é a queda da inflação. A inflação é um imposto, porque retira renda real das famílias. Em adição deve-se dizer que é um imposto regressivo, ou seja, onera mais exatamente as famílias mais expostas a problemas de liquidez. Segundo, a queda da inflação tem levado o BC a reduzir a taxa básica. Embora os efeitos da taxa básica sejam pequenos na ponta, as reduções, pequenas, é verdade, também contribuem com um cenário mais promissor no que diz respeito à inadimplência pessoa física.

Qual o impacto da queda da inadimplência esperada em relação a títulos de dívidas de empresas do varejo, como debêntures?

A redução esperada da inadimplência implica melhora do cenário para o varejo. Mas penso que o impacto sobre os papéis do setor não será tão significativo, ao menos no curto prazo. Esses títulos dependem muito mais do volume esperado de vendas. Esse por sua vez está associado ao crescimento sustentável da renda e do crédito.

Qual o motivo do aumento no atraso de pagamentos previsto para janeiro?

Os atrasos estão ligados a um movimento sazonal. No começo do anos acumulam-se despesas tais como: impostos, pagamento de despesas de viagem, compra de material escolar, etc


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.