Entre lamentos e críticas

No Twitter, saída de Pedro Parente da Petrobras gera numerosos comentários

Companhias abertas/N@ Web / 8 de junho de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

O fato de o governo Dilma Rousseff ter usado a Petrobras como instrumento de política econômica abalou o valor de mercado e a credibilidade da companhia, parece ser um consenso. Não à toa, ao ser convidado para ocupar o cargo de CEO, em 2016, Pedro Parente estabeleceu uma condição para aceitar a proposta: garantia de liberdade para tomar decisões no melhor interesse da empresa. Mas essa liberdade não se sustentou por muito tempo. A greve dos caminhoneiros decorrente dos sucessivos aumentos do preço do óleo diesel fez o governo interferir na política de preços da estatal. Descontente, Parente pediu demissão em 1º de junho. As reações à decisão do executivo foram tão diversas quanto as posições em relação à greve, ao menos no Twitter.

Editor do site liberal Spotniks, Felippe Hermes comentou em seu Twitter pessoal que presidentes anteriores da Petrobras estavam envolvidos em escândalos: José Sergio Gabrielli era CEO quando ocorreu a polêmica compra da refinaria de Pasadena; Graça Foster foi citada na Lava Jato, assim como Aldemir Bendine, que está preso. “Pedro Parente: pediu demissão porque a política dele reduziu a dívida e aumentou o lucro da empresa”, disse Hermes, em postagem replicada cerca de 4 mil vezes. Já Laura Carvalho, economista da equipe do pré-candidato à Presidência da República Guilherme Boulos, do PSOL, afirmou que Parente está muito “mais interessado na própria carreira que no País” e que “a ele e a sua carreira interessam muito passar a ideia de que saiu porque não quis ceder a propostas ‘populistas’”. “Deixou a empresa no meio do pregão e ainda valorizou o CV”, criticou Carvalho em postagem replicada pelo menos mil vezes.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras Pedro Parente diesel Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Pedro Parente pede demissão do cargo de presidente da Petrobras
Próxima matéria
A poucos passos da Lei das Estatais



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Pedro Parente pede demissão do cargo de presidente da Petrobras
Pedro Parente pede demissão do cargo de presidente da Petrobras na sexta-feira, dia 1. Em carta enviada ao presidente...