Outros caminhos

Editorial / Edição 133 / 1 de setembro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


No ano passado, Delfim Netto cravou 2014 como o ano da tempestade perfeita para a economia brasileira. Os raios e trovoadas seriam desencadeados pela combinação das fragilidades já existentes com duas más notícias previstas: o rebaixamento do rating do País (que aconteceu em março, pela S&P) e a alta da taxa de juro americana, decorrente da desaceleração do programa de estímulos monetários (esta, ainda bem, foi adiada). A catástrofe não aconteceu exatamente como imaginada, mas a economia vai mal mesmo assim: o cenário de estagflação se instalou.

Se não é perfeita para colapsar toda a conjuntura, a tempestade que cai é suficiente para, no mínimo, fazer murchar o mercado de capitais. Os ventos fortes o atingem de várias maneiras. O descontrole dos gastos públicos gera mais dependência do juro alto, que, por sua vez, ofusca os investimentos de maior risco e desencoraja a diversificação. Do lado da oferta, o risco do intervencionismo, o baixo crescimento e a falta de confiança minam o apetite do empresário para levantar recursos.

Quais as perspectivas, então, para o mercado de capitais retomar seu dinamismo? O incentivo fiscal para a listagem de pequenas e médias companhias em bolsa terá algum efeito prático? Como ativar uma agenda positiva, em que empresas abram o capital e investidores busquem diversificar suas aplicações de forma responsável?

Para refletir sobre essas e outras questões, convidamos seis economistas e gestores de recursos a visualizar outros caminhos para o Brasil. As entrevistas adornam esta edição de aniversário com pensamentos interessantes e deixam clara a angústia por mudança: se mantido o formato atual de condução da atividade econômica, afirmam, são grandes as chances de uma nuvem negra se instalar sobre o mercado de capitais.

Novo tempo — Neste setembro, ao completar seu 11º aniversário, a CAPITAL ABERTO estreia duas novidades em sua produção editorial. A primeira é a realização de reportagens com o apoio dos Grupos de Discussão (fóruns em que reuniremos agentes do mercado para debater assuntos relevantes e apontar tendências). Além disso, faremos publicações diárias de conteúdo em nosso site, antecipando os temas que serão abordados na edição impressa. Confira!


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Quase maduro
Próxima matéria
Modelo híbrido




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Quase maduro
Criado há uma década pela Lei 11.076, o certificado de recebíveis do agronegócio (CRA) demorou a germinar no mercado...