Desafio à lógica

As surpresas que vêm depois das eleições

Crônica/Bolsas e conjuntura / 11 de outubro de 2018
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Ilustração: Rodrigo Auada

A democracia à inglesa, de representação indireta, completa 329 anos, acuada em todas as latitudes. Exageraram na dose e a conta chegou — o eleitor troca os políticos tradicionais pelos outsiders ou extremistas.

Gabriel García Márquez gostava de citar seu amigo Sérgio Ramirez, que definia a eleição como o álibi da democracia. É, pode ser, mas a gente vai tentando, mediante o livre exercício do voto obrigatório que, no entanto, deixa de ser meio de escolha para tornar-se instrumento de protesto. Como aconteceu nas votações consagradoras do rinoceronte Cacareco e do macaco Tião.

Comparecemos às urnas, em eleição apontada como imprevisível. Nem tanto. Conforme os hábitos nacionais, mais frequentes são as surpresas que vêm depois.

No varejo ou no atacado, elas fazem parte dos costumes. No período ditatorial de Getúlio Vargas, nenhuma peça de Nelson Rodrigues foi proibida. Pois no governo redemocratizante do general Dutra, por sinal eleito com votos transferidos por Vargas, o dramaturgo foi censurado.

Ainda no governo Dutra, a Constituinte produziu a Carta mais liberal da nossa história. No entanto, logo depois o PCB e a jogatina foram interditados. Não que tivessem afinidades ideológicas, muito pelo contrário, mas jogadores e comunistas curtiram suas respectivas surpresas. Apesar disso, os dois grupos permaneceram ativos em todo o território nacional.

A proibição do jogo é atribuída a dona Santinha, esposa de Dutra e católica fervorosa. Sem desmentir a versão, não custa lembrar que os proprietários dos cassinos também eram fervorosos financiadores de candidatos getulistas.

Em 1955, o udenista Carlos Lacerda alardeava que o pessedista Juscelino Kubitschek não seria candidato; se candidato, não seria eleito; se eleito, não tomaria posse. Pois JK, com vitória sem susto nas urnas, governou em alto astral e, de quebra, construiu uma nova capital.

Em 1960, a UDN, que não vencia as eleições presidenciais — e, por isso, dedicava-se às conspirações como quem promove delicados saraus regados a sonetos oitocentistas —, pendurou-se na candidatura Jânio Quadros (a recíproca não era verdadeira), que se elegeu folgadamente. A surpresa veio sete meses depois, com a renúncia, rescendendo a bafo de golpe e paralisando o País.

Eleito indiretamente, Tancredo Neves não tomou posse e a nação entrou em choque. O vice José Sarney assumiu e, em seu governo, foi idealizada a AGU, enquanto a ilha de Fernando de Noronha, transformada em zona de preservação ambiental, escapou das betoneiras. Não deixa de ser surpreendente para um período que não tem tido qualquer refresco nas retrospectivas.

Fernando Collor ganhou a eleição como caçador de marajás, se empolgou e confiscou toda a população. Na sequência, tropeçou e sofreu o impeachment.

O mercado vibrou com a eleição de Fernando Henrique, mas a bolsa, indiferente ao entusiasmo, andou de lado. Lula da Silva o sucedeu e, contrariando as expectativas, a bolsa viveu anos de euforia.

A política desafia as relações de causa e efeito, por mais lógicas que sejam. E talvez acabe surpreendida por não perceber (ou fingir) que o desencanto agora tem outras causas.

Apertem os cintos. Criada na Grécia antiga, a democracia se vê cercada pelas eleições — sua pedra de toque ou seu álibi —, feito um carrossel de cavalinhos de Troia.


Carlos Augusto Junqueira de Siqueira, advogado, é autor da seção “Crônica”, publicada a cada dois meses na Capital Aberto


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Política Getúlio Vargas Lula eleições 2018 JK FHC Tancredo Neves Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Prática de insider trading gera multas de 46 milhões
Próxima matéria
Um furacão chamado MiFID II



3 comentários

Oct 23, 2018

Gostei muito, como as anteriores e esperando ansioso as próximas crônicas.


Oct 17, 2018

Presidente eleito. E as surpresas vem depois…Com suficiência histórica, CAJS mostrou que aqueles que têm informações sobre o futuro estão é mal informados. Genial.


Oct 16, 2018

Muito bom texto, trazendo a marca do estilo do Carlos Augusto, desde os tempos da imprensa estudantil da Faculdade de Direito da UFF – sarcasmo com as verdades imutáveis!!!



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Prática de insider trading gera multas de 46 milhões
Em decisão unânime do último dia 13 de novembro1, o colegiado da CVM condenou cinco ex-diretores da PDG Realty por negociar...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}