Stock options

Workshop sobre a tributação após a Lei 12.973 e as melhores práticas de divulgação aos investidores realizado em 5 de novembro de 2015

Workshop
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


As stock options surgiram nos Estados Unidos na década de 1950 e se propagaram no Brasil a partir dos IPOs de 2004. Estabeleceram-se como o instrumento ideal para garantir a retenção dos executivos, além da vantagem de estarem sujeitas a uma tributação atraente. Nos últimos anos, no entanto, as opções de ações, assim como outras formas de remuneração baseadas em ações, foram colocadas em xeque em razão de questões trabalhistas, tributárias e motivacionais. Neste workshop, discutimos as tendências tributárias da remuneração baseada em ações, levando em conta a Lei 12.973 e o histórico de autuações do Carf. Abordamos também como os planos de opções devem ser informados aos investidores e métodos para estimativa dos seus custos.

Programação:

• A remuneração baseada em ações no Brasil e as primeiras contestações tributárias | Elisabeth Lewandowski Libertuci, consultora de Trench, Rossi e Watanabe Advogados

• O que muda com a Lei 12.973 | Paulo Bento, sócio da área tributária do BMA

• Debate: Como tributar e divulgar as remunerações baseadas em ações

Convidados:
– Pablo Renteria, diretor da CVM;
– Sonia Burlo, delegada especial da Receita Federal de Pessoas Físicas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ativos brasileiros em crise: por que a bolsa está mais resistente?
Próxima matéria
CRAs corporativos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Ativos brasileiros em crise: por que a bolsa está mais resistente?
Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula Assistimos, ao longo deste último trimestre, a um aprofundamento das crises...