Tempo de se reinventar

Como a transformação digital e novos hábitos de consumo impactam as estratégias das empresas

Customizados
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


As flutuações na economia, a rápida transformação do ambiente digital e a ascensão de novos hábitos de consumo exigem que as companhias reavaliem constantemente seus portfólios de negócios na busca pela criação de valor para os acionistas. Ao mesmo tempo em que essa situação tira o sono de executivos e conselheiros de administração, também os impulsiona a pensar em formas de tornar as empresas em que atuam mais competitivas e eficientes. Nesse cenário, a aposta em aquisições, joint ventures, desenvolvimento de novos produtos e acesso a novos mercados torna-se crucial. Como importantes companhias brasileiras têm reinventado seus negócios? Qual o impacto das demandas das novas gerações nos portfólios de produtos e serviços? Como executivos e conselheiros lidam com a pressão de ter que reformular rapidamente suas estratégias para atender às expectativas de consumidores cada vez mais exigentes? Qual o impacto desse ambiente sobre o planejamento de longo prazo das organizações? Essas e outras questões foram debatidas no dia 17 de junho de 2019 o durante o último encontro da série especial de grupos de discussão “Imperativos de Negócios”, promovida pela Capital Aberto em parceria com a PwC.

 

PARTICIPANTES

"A necessidade de se adaptar às mudanças no ambiente de negócios faz com que as organizações repensem a todo tempo sua estratégia de crescimento. É isso que faz com que continuem criando valor"
"Nosso maior ativo são dados. A todo momento, recebemos informações de fornecedores e clientes. Precisamos cuidar muito bem disso. Tudo o que investimos em aquisições é nesse sentido. Isso agrega valor e resulta em um produto melhor"
"Aspectos regulatórios muitas vezes vão na contramão da agilidade com que novos negócios acontecem. Eles podem dificultar o andamento de certos deals. Por isso é essencial o planejamento estratégico"
"Em um modelo de negócios tradicional, há coisas que não conseguimos entregar. As necessidades dos clientes mudam rapidamente. Inovação, parcerias e transações são ferramentas para atendermos a essa demanda"
"Todo processo de M&A parte da preocupação com o olhar do cliente. Qualquer negócio de varejo, por exemplo, é avaliado pela sua integração entre físico e digital. E isso não diz respeito somente à compra"
"As informações circulam com grande velocidade hoje em dia. Isso infla as expectativas em relação a certos mercados. Também pode explicar a ansiedade das empresas realizarem novos negócios"

VEJA COMO FOI

Ouça a íntegra no Clube de Conhecimento

Assista ao vídeo com os melhores momentos do encontro

Confira a reportagem sobre o Grupo de Discussão (em breve!)

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado de capitais joint venture fusão aquisição Otimização de negócios portfólio de negócios venda vantagem competitiva Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Claro compra Nextel por 3,47 bilhões de reais e firma sua vice-liderança em telecomunicações
Próxima matéria
Pirraças de Bolsonaro e Maia afetam bolsa e intensificam polarização nas redes sociais



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Claro compra Nextel por 3,47 bilhões de reais e firma sua vice-liderança em telecomunicações
Na terça-feira, 19 de março, a América Móvil, controladora da Claro e pertencente ao bilionário mexicano Carlos Slim,...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}