Isenção fiscal pode ressuscitar os fundos imobiliários

Edição 28 / 1 de dezembro de 2005
Por 


ed28_p006-007_pag_2_img_001No passado recente, os fundos de investimento imobiliário atingiram o auge com emissões que chegaram a somar R$ 1 bilhão em 2002. Estes valores decresceram continuamente, culminando, no início de 2005, com o engavetamento de alguns fundos e registros que, ao longo do ano, movimentaram pouco mais de R$ 35 milhões.

Mas este histórico pode ser revertido com a mudança de tributação para investidores pessoa física, trazida pela versão atualizada da Medida Provisória 255, a MP do Bem, que estende para todos os fundos imobiliários a isenção de imposto de renda que havia sido concedida aos rendimentos de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) em 2004. Desde então o setor imobiliário reivindicava a ampliação do benefício para estimular a procura por cotas desses fundos e amenizar os problemas de liquidez que hoje são enfrentados pelo produto.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Vitrine de brasileiros
Próxima matéria
Contratação de formador de mercado duplica em 2005




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Vitrine de brasileiros
 A data era 14 de novembro, a cidade era Nova York e o dia, do Brasil. Com um café da manhã servido a cerca de duas...