Debênture para varejo é próxima aposta do BNDES

Edição 28 / 1 de dezembro de 2005
Por 


As debêntures são o novo foco do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em sua política de estímulo ao crescimento do mercado de capitais brasileiro — uma idéia que se espelha no sucesso da experiência do Tesouro Direto, programa que possibilita a aquisição de papéis do Tesouro Nacional por investidores do varejo e que já atraiu mais de 46 mil poupadores. Calcada no desenho de instrumentos específicos para investidores individuais, esta estratégia teve como destaque, neste ano, o lançamento do PIIB (Papéis Índice Brasil Bovespa), que arregimentou cerca de 120 mil pessoas físicas para o investimento em ações.

O apetite para aplicação em títulos privados deve ser encorajado em 2006 por um cenário de queda das taxas de juros e da relação entre a dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB). Diante do potencial incremento na demanda e das poucas fontes de financiamento de longo prazo para empresas no mercado doméstico, o banco de fomento está em fase final de estruturação de um novo formato de debênture com investimento mínimo ligeiramente superior a R$ 1 mil.

Para Carlos Kawall, diretor financeiro do BNDES, o segmento de renda fixa é o que apresenta a maior carência no mercado brasileiro. “Os títulos hipotecários são praticamente ausentes e os emissores estão concentrados no setor bancário e de leasing, privando o investidor da possibilidade de diversificação.” Segundo o diretor, o apelo da nova debênture será sua remuneração, que deve apresentar uma taxa superior à de outros títulos de renda fixa, provavelmente atrelada ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

A primeira emissão está prevista para ocorrer ainda no primeiro semestre do próximo ano e o banco já trabalha com as empresas de seu relacionamento para convencê-las a realizar suas emissões neste novo formato. De acordo com Kawall, a iniciativa deve beneficiar especialmente o setor de infra-estrutura, crítico para o desenvolvimento econômico do País, para o qual a captação externa de recursos não é vantajosa, em decorrência do risco cambial e dos altos custos de hedge.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
BrasilAgro nascerá aberta no Novo Mercado da Bovespa
Próxima matéria
Governança corporativa ainda é artigo de luxo




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
BrasilAgro nascerá aberta no Novo Mercado da Bovespa
Dedicada à compra, venda e arrendamento de propriedades rurais no País, ao desenvolvimento de atividades agropecuárias...