BrasilAgro nascerá aberta no Novo Mercado da Bovespa

Edição 28 / 1 de dezembro de 2005
Por 


Dedicada à compra, venda e arrendamento de propriedades rurais no País, ao desenvolvimento de atividades agropecuárias e pastoris para a valorização das propriedades adquiridas e, posteriormente, à sua venda, a Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas (BrasilAgro) será a primeira companhia brasileira constituída mediante a captação de recursos em uma oferta pública inicial de ações. Seu modelo de negócio é baseado na operação da argentina Cresud, cujo presidente (e detentor de 38,1% da companhia), Eduardo Elsztain, é também sócio da BrasilAgro — junto com a Tarpon Investimentos e com o presidente da Cyrela Brazil Realty, Ely Horn.

O pedido de oferta pública de ações foi protocolado na Comissão de Valores Mobiliários no final de outubro. Pelo fato de a companhia encontrar-se em fase pré-operacional, as ações serão ofertadas a um preço fixo de R$ 25, de modo que os ofertantes possam atingir a captação mínima esperada. A operação prevê levantar R$ 455 milhões para investimento na aquisição de propriedades.

Negociada na Bolsa de Comercio de Buenos Aires há nove anos e na Nasdaq, há sete, a Cresud é gerenciada desde 1994 pela Consultores Asset Management, sociedade controlada por Elsztain que também prestará consultoria à BrasilAgro.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Contratação de formador de mercado duplica em 2005
Próxima matéria
Debênture para varejo é próxima aposta do BNDES




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Contratação de formador de mercado duplica em 2005
A contratação de formadores de mercado (também conhecidos como market makers) é uma tendência que parece ter vindo para...