Bônus e opções ampliam risco de crédito

Internacional / Edição 26 / 1 de outubro de 2005
Por 


ed26_p050-051_pag_2_img_001A agência de rating Moody’s concluiu que existe forte correlação entre a política de remuneração dos CEOs das companhias e o seu risco de crédito. Depois de acompanhar casos como os da Enron e da WorldCom, a agência decidiu comparar salários nominais, políticas de bônus e concessão de stock options com o risco de default e a incidência de expressivos rebaixamentos de rating — ocorridos entre 1993 e 2003 em corporações não-financeiras americanas.

Exemplos de remuneração “não justificada” foram identificados a partir da comparação dos pacotes praticados por cada empresa com a média esperada para o seu segmento, levando em consideração também o nível de faturamento, as metas de crescimento e os resultados obtidos. As taxas de default e de rebaixamentos de rating foram significativamente maiores nos casos não justificados (detalhados no gráfico).

O estudo publicado por Chris Mann, VP e Analista Sênior da Moody’s Investor Services, não considerou dados relativos a CEOs que foram especificamente contratados para reestruturar empresas com problemas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Mercado quer eleger conselheiro por maioria
Próxima matéria
Justiça contraria a SEC sobre Fair Disclosure




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Mercado quer eleger conselheiro por maioria
Um grupo de 14 investidores institucionais do Reino Unido, Holanda, Austrália e Canadá sugere que as companhias americanas...