Um país em transformação

Sairemos da crise fortalecidos, com uma das menores dívidas públicas do mundo em relação ao PIB

Captação de recursos/Temas/Edição 73 / 1 de setembro de 2009
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


A quebra do banco Lehman Brothers, em 15 de setembro de 2008, detonou uma onda de pânico entre investidores de todo o mundo. Os mais pessimistas chegaram a alardear que viveríamos uma crise de proporções comparáveis à Grande Depressão dos anos 30. Felizmente, essas expectativas não se confirmaram. O Brasil foi um dos países que mais cedo superou a fase aguda da crise e, hoje, já podemos comemorar a volta dos investidores estrangeiros e um Ibovespa na casa dos 58 mil pontos.

Dentre os fatores que colaboraram para essa recuperação está a política anticíclica promovida pelo governo brasileiro. Pela primeira vez, ao invés de aumentar os juros para atrair capital, o governo os reduz para incentivar a economia. Diversos setores também foram beneficiados com os pacotes de estímulo fiscal. A diminuição do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foi, sem dúvida, uma contribuição importante para o aquecimento do mercado interno. Neste segundo trimestre, já pudemos notar a diminuição nos estoques das companhias e a retomada da produção industrial para repô-los. Além disso, embora a taxa de desemprego tenha aumentado, a massa salarial permanece estável, e as camadas de renda mais baixas foram beneficiadas pelo aumento do salário mínimo acima da inflação.

O Brasil possui a vantagem de não ter sofrido com as crises bancárias ou com o estouro da bolha imobiliária, como aconteceu nos países desenvolvidos. Sairemos dessa crise fortalecidos, com uma das menores dívidas públicas do mundo em relação ao PIB. Outra boa notícia é o programa de investimentos implementado pelo governo chinês para estimular a economia local. Segundo nossas projeções, ele permitirá um crescimento de 9% do PIB do país em 2009. Para o Brasil, o cenário é extremamente auspicioso, uma vez que a China é um grande comprador de commodities. Hoje, cerca de 40% das companhias que compõem o Ibovespa são ligadas a esse setor.

Em adição ao cenário otimista, vemos a estabilização dos juros em patamares de um dígito como uma enorme força de atração de investidores para o mercado de capitais brasileiro. Por décadas, o setor público absorveu todos os recursos disponíveis na economia, principalmente via emissão de títulos públicos de curto prazo que conferiam generosos ganhos reais aos aplicadores. Agora, a realidade é outra. Finalmente, o Brasil poderá se beneficiar de uma premissa que existe em todos os outros mercados desenvolvidos do mundo: para se obter mais retorno, há de se tomar mais risco.

Ou os investidores se acostumam com ganhos reais de 4% ao ano, ou deverão migrar parte de seus recursos para ativos de risco, especialmente ações. Fundos de pensão passam pelo mesmo dilema, com o agravante de não poderem comprar títulos que rendam menos de INPC 6% ao ano, devido à prevenção do déficit atuarial.

Um estudo produzido pela Quest indica que a taxa de lucratividade média das empresas que compõem o Ibovespa deverá ser de 10% nos próximos 12 meses, bastante superior à taxa Selic, de 8,75% ao ano. Essa pesquisa dá a medida da transformação que estamos vivendo e o motivo pelo qual acreditamos numa performance muito positiva do mercado de ações. Para o fim do ano, projetamos o Ibovespa a 70 mil pontos.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Bolsa de valores PIB Lehman Brothers Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Com o pé no freio
Próxima matéria
Mania de ações



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Com o pé no freio
Após subir mais de 50% no ano e atingir 56 mil pontos no fim de agosto, o índice Bovespa não só incorporou uma parcela...