Julgamento do caso Mundial é suspenso

O julgamento da Directa Auditores, firma de auditoria acusada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) por falhas nas demonstrações financeiras de 2010 da Mundial, ainda não chegou a um desfecho. No último dia 26 de janeiro, o diretor da autarquia Pablo Renteria, relator do caso, leu seu voto. …

Contabilidade e Auditoria/Seletas/Edição 15/Reportagem / 29 de janeiro de 2016
Por 


Ilustração: Grau 180.com.

Ilustração: Grau 180.com.

O julgamento da Directa Auditores, firma de auditoria acusada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) por falhas nas demonstrações financeiras de 2010 da Mundial, ainda não chegou a um desfecho. No último dia 26 de janeiro, o diretor da autarquia Pablo Renteria, relator do caso, leu seu voto. Ele defendeu a condenação dos acusados, com fixação de multas de R$ 50 mil para a Directa e de R$ 200 mil para o sócio responsável Antonio Carlos Bonini Santos Pinto. A sessão, contudo, não chegou ao fim: o diretor Gustavo Borba pediu vistas do processo para avaliar melhor o caso antes da votação dos demais integrantes do colegiado. Com isso, o julgamento foi suspenso e precisará ser reagendado.

A CVM questiona as demonstrações financeiras da Mundial relativas ao exercício de 2010. De acordo com a autarquia, a companhia recebeu apenas R$ 1,2 milhão dos R$ 272,5 milhões devidos por sua coligada Hercules. Embora o calote representasse cerca de 30% de seu ativo total, a Mundial não fez provisão das perdas e a Directa, responsável pela auditoria independente do balanço, não emitiu ressalvas.

Com um balanço mais otimista do que a realidade, a Mundial protagonizou, no ano seguinte, um dos maiores escândalos recentes do mercado de capitais brasileiro. O episódio ficou conhecido como “bolha do alicate”, numa referência a um dos produtos que a companhia fabrica, e foi contado em detalhes na reportagem “Uma bolha anunciada”, publicada na edição 109 da capital aberto.

A bolha foi inflada pela estratégia de comunicação da Mundial. A empresa divulgou sucessivos comunicados, sempre enfatizando proezas — como o abatimento de dívidas fiscais e o plano de migração para os níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBovespa. O noticiário positivo, somado a boatos que cogitavam a venda da companhia, fez disparar o preço das ações. O papel subiu 1.500% em três meses. A alta exagerada e repentina acabou virando caso de polícia. Em 2012, a Justiça acatou denúncia do Ministério Público e Michel Ceitlin, presidente da Mundial, e nove agentes autônomos tornaram-se réus após serem denunciados por manipulação de mercado e formação de quadrilha, além de uso de informações privilegiadas. O caso continua sob investigação no judiciário de Porto Alegre, onde fica a sede da companhia.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Mundial demonstrações financeiras julgamento Directa Auditores Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Inglesas continuam a divulgar relatório trimestral após fim de proibição
Próxima matéria
Relações societárias e governança corporativa



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Inglesas continuam a divulgar relatório trimestral após fim de proibição
Há pouco mais de um ano, as companhias do Reino Unido foram desobrigadas a publicar o relatório trimestral de resultados,...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}