Plataforma de votação online torna-se mandatória na Índia

Relações com Investidores/Internacional/Temas/Edição 108 / 1 de agosto de 2012
Por 


A Securities and Exchange Board of India (Sebi) deu um passo importante para aumentar a participação dos acionistas nas assembleias. Tornou obrigatório que as 500 maiores companhias indianas em capitalização de mercado, listadas na Bombay Stock Exchange (BSE) ou na National Stock Exchange (NSE), disponibilizem uma plataforma de votação pela internet. A regra passa a valer em 1º de outubro de 2012. Hoje, os acionistas emitem o voto de duas maneiras: presencialmente ou por correspondência, no caso em que não possam comparecer à assembleia.

Segundo o regulador do mercado de capitais indiano, o objetivo é estender gradualmente a obrigatoriedade de fornecer o sistema a todas as companhias abertas do país. Os benefícios que a ferramenta oferece são: precisão na contagem de votos; eliminação do envio do voto por correio e, consequentemente, do risco de ele ser extraviado; e mais tempo para os acionistas votarem. É esperado também que o uso da plataforma diminua o índice de votos anulados nas assembleias, devido a divergências na assinatura do acionista e ao preenchimento incorreto da cédula de votação.

Atualmente existem dois agentes na Índia aptos a fornecer a tecnologia: a Central Depository Services Ltd (CDSL) e a National Securities Depository Ltd (NSDL). Segundo um executivo da CDSL, os acionistas poderão acessar o sistema de votação online usando apenas uma identificação de usuário e uma senha recebidas por correio ou e-mail. De posse desses dados, deverão entrar no sistema e alterar a senha para uma de sua preferência. No Brasil, há uma resistência ao uso de plataformas eletrônicas de votação que não possuam certificação digital. Em ofício circular sobre a Instrução 481, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deixou claro que a empresa deve adotar “qualquer mecanismo que assegure a autoria e a integridade das procurações por meio eletrônico e que seja admitido como válido pelas partes envolvidas”.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Índia Sebi Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Rigor nos controles internos
Próxima matéria
Tentativa de definição



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Rigor nos controles internos
Depois da Sarbanes-Oxley, em 2002, as empresas norte-americanas passaram a ter de revelar, na comentada seção 404, as falhas...